O Conhecimento, as Metamorfoses e o Fantástico Mundo de Hoje

O conhecimento superou diversas adversidades e permitiu-nos avanços civilizacionais sem paralelo. Sim, de um progresso inacreditável.

De acordo com Alvin Toffler (1928-2016), investigador americano especializado em mudanças tecnológicas e singularidade, desde a década de 1970 estamos a viver a “Revolução da Informação” que se caracteriza, essencialmente, pela hegemonia do conhecimento.

Apesar disso, a importância atribuída ao conhecimento não é recente. Já na antiga Grécia, Platão reconhecia a relevância do conhecimento, referindo que apenas através dele seria possível captar a existência do mundo sensível – conhecido através dos sentidos, que não podia, por isso mesmo, transmitir um conhecimento totalmente verdadeiro – e do mundo inteligível – o da verdade, conhecido somente através da razão.

As teorias de Platão sobre conhecimento ficaram conhecidas como racionalismo transcendente. Isto significa que as ideias se originam a partir de uma experiência humana pré-terrena.

Já na nossa era, Karl Popper (1902-1994), renomado filósofo da ciência também considerou o conhecimento científico objetivo e a sua evolução racional. No entanto, segundo Popper, nunca poderemos saber se uma teoria científica é literalmente verdadeira, podemos, apenas, assegurar-nos que, até então, não foi provada como falsa ou errada. O avanço da técnica e das condições laboratoriais é que permitirão, na generalidade dos casos, confirmar as conclusões teóricas assumidas como verdadeiras.

Por outras palavras, o indivíduo, ao tentar encontrar a verdade e a razão, aproxima-se, também, do fundamento da Ciência. Isso porque ao ser confirmada verdadeira, a teoria corresponderá aos fatos e descreverá a realidade das coisas, mantendo-se independente de crenças, refletindo uma Ciência objetiva, tal como defende Popper.

Assim, a Ciência tende a progredir, devido à sua constante busca pela verdade e pelo conhecimento. Embora, como já referimos, a “verdade última” seja circunstancial e inalcançável.

Nesse sentido, importa, ainda, referir o filósofo da ciência Thomas Kuhn (1922-1996), dado que é contemporâneo e estudou o desenvolvimento histórico do pensamento racional humano, concluindo que uma teoria, por mais objetiva que seja, encontrará novos fundamentos para se alterar e constituir novas ideias no futuro.

Na lógica de Kuhn, o pensamento científico não é imutável, concluindo que as teorias, ao longo da História, foram substituídas ou complementadas por outras teorias que se aproximam mais da realidade que conhecemos. Como exemplo de substituição temos o geocentrismo substituído pela teoria do heliocentrismo, enquanto no caso da complementação temos a teoria da relatividade de Einstein aplicada ao mundo subatómico, pois não se encontravam respostas adequadas na teoria da gravidade de Newton.

Mas o conhecimento não é neutro, os exemplos totalitários pré e pós II Guerra Mundial, demonstraram que é vital que ande de braço dado com a democracia. Um caso paradigmático das consequências desse divórcio foi a perseguição dos nazistas aos intelectuais e escritores, que viram os seus livros amontoados e queimados nas praças de cidades alemãs. Tudo o que fosse crítico ou se desviasse dos padrões impostos pelo regime era considerado inconveniente, censurado e destruído. Albert Einstein, Stefan Zweig, Heinrich e Thomas Mann, Sigmund Freud, Erich Kästner, Erich Maria Remarque, Ricarda Huch, entre outros foram algumas das figuras mais proeminentes do conhecimento e da literatura perseguidas na época da Alemanha nazista.

O conhecimento superou diversas adversidades e permitiu-nos avanços civilizacionais sem paralelo. Sim, de um progresso inacreditável. Vamos fazer um pequeno teste aos nossos leitores em relação a algumas questões, para ver até que ponto estão (des)actualizados [1]. Para ajudar, damos 3 alternativas por pergunta (pergunta nº.h1; h2, h3).

Sabe qual a percentagem de raparigas que concluem a escola primária nos países de mais baixo rendimento, a nível mundial? (p1. 20%; 40% ou 60%). Nos últimos 20 anos, a proporção da população mundial a viver em pobreza extrema (p2. Praticamente duplicou; manteve-se aproximadamente a mesma; reduziu a metade). Qual é hoje a esperança de vida no mundo? (p3, 50 anos; 60 anos; 70 anos). Como evoluiu o número de mortes anuais derivadas de catástrofes naturais, nos últimos 100 anos? (p4. Mais do que duplicou; manteve-se o mesmo; reduziu para menos de metade). Qual a percentagem de crianças com 1 ano de idade a nível mundial que foram vacinadas contra algum tipo de doença? (p5. 20%; 50% ou 80%).

Na próxima edição voltaremos ao tema com a grelha de correção. Até lá, boas reflexões!

[1] fonte. Rosling, H. , FACTFULNESS, Hodder & Stoughton, 2018.

Recomendadas

As afinidades electivas do Coronavírus

“O coronavírus não gosta de teatro, nem de espectáculos, nem da cultura em geral”. E mais: tem dois pesos e duas medidas – não ataca em aviões mas é perigoso nos teatros; não ataca nos comboios mas infecta os mesmos trabalhadores que neles se deslocam – mas só nos tempos de descanso no seu local de trabalho! E suspeita-se que não atacará também em alguns eventos públicos municipais que beneficiarão da maior fatia dos 30 milhões de apoio governamental para a cultura (em detrimento de outros programas para a cultura, quando este sector precisa urgentemente de apoio!), mas já noutros encontros e festivais culturais … pondere-se bem, é bem provável que a sua virulência seja acentuada.

Avante!: Se não paga imposto, claramente não é um Festival de Verão

Tal como no 1º de Maio, foi o PS e o Governo que decidiram que em Portugal fazia realmente sentido a máxima socialista/comunista de a lei e o sacrifício para muitos, os privilégios só para os nossos! A argumentação do PS e do Governo para apoiar a Festa do Avante, apesar de proibir todos os festivais de verão, é claramente hilariante a todos os níveis. É também a confirmação de que em Portugal sempre fomos um país de dois níveis: os privilegiados e todos os outros. O Governo e o PS afirmam que a Festa do Avante não é um Festival de Verão e por isso não fica proibido como todos os restantes. Têm toda a razão! O Avante não paga impostos sobre as operações comerciais e os rendimentos obtidos há já muitos anos! Todos nós sabemos disso, todos nós vivemos com isso, mas ninguém ou quase ninguém se incomoda com isso.

Muro ou moinho de vento?

Encare esta crise como uma oportunidade! Uma oportunidade para mudar a sua vida ou uma oportunidade para descobrir que já está no caminho certo! Não importa, o que importa é que tente fazer ou ser aquilo que verdadeiramente o faz feliz!
Comentários