O e-commerce diferencia o sucesso no contexto atual

O comércio do futuro assenta em tecnologia que automatiza os processos, melhora a experiência dos clientes e permite reagir mais rapidamente aos pedidos e necessidades do mercado.

A atual conjuntura empresarial trouxe ao debate a aceleração digital das empresas portuguesas. Gabriel Coimbra, da IDC, chegou mesmo a afirmar que o choque provocou uma aceleração de dez anos face ao que era a prática anterior, quase como se a necessidade aguçasse o engenho de um investimento prioritário para o futuro de muitos sectores, e que adquiriu agora um novo sentido de urgência.

Existem várias áreas em que vemos a digitalização entrar com toda a legitimidade nas empresas portuguesas. Desde a automatização de processos ao teletrabalho, a tecnologia tem ajudado as empresas a responder da melhor forma e ajudado, inclusive, a criar vantagens competitivas para a retoma depois da crise.

Mas existe uma área, em particular, que tem uma oportunidade única neste tempo de isolamento social, e que permite diferenciar as empresas. É, aliás, uma das áreas a que as empresas precisam de apostar seriamente para não só aproveitarem a oportunidade contextual provocada pela Covid-19, como também darem o salto para uma economia de nova geração. Falo, obviamente, do comércio online, também conhecido por e-commerce.

Não será surpresa para ninguém se disser que 80% das empresas portuguesas não apostam no e-commerce. De facto, o nosso país ainda está longe de convergir com a média europeia nesta matéria, e sabe-se que, apesar de termos tido cada vez mais compras online nos últimos anos, menos de metade dos portugueses fazem compras online. É irónico que, num país altamente tecnológico, um dos eixos com maior potencial económico na era digital esteja tão pouco aproveitado.

Mas este cenário apresenta outra fragilidade. Grande parte das compras efetuadas são realizadas em lojas online fora de Portugal, aproximadamente 1/3 na China, em plataformas como a Alli Express ou eBay. Estes números demonstram que a oportunidade está a passar ao lado de grande parte do tecido empresarial português. Para além de as empresas não aproveitarem a oportunidade de conquistar o mercado mundial, estão ainda a desperdiçar o mercado interno que vai sendo lentamente estimulado a partir do exterior.

É verdade que existem atualmente bons exemplos em Portugal. Desde os suplementos alimentares, livros e até escovas de dentes, já se provou ser possível ter negócios rentáveis, com fortes taxas de crescimento e credíveis aos olhos dos consumidores. Não será demais referir o exemplo de Luís Onofre, que, ao integrar as suas lojas online com as lojas físicas, aumentou em 60% as vendas de e-commerce.

Mas importa perguntar o que têm em comum os negócios vencedores do comércio do futuro. São alicerçados em tecnologia que automatiza os processos, melhora a experiência dos clientes e permite-lhes reagir mais rapidamente aos pedidos e necessidades do mercado. Sem software para vender e gerir a empresa a qualquer hora, e a partir de qualquer lugar, dificilmente poderiam manter os clientes satisfeitos e assegurar as suas margens de rentabilidade.

Os três factores críticos de sucesso do e-commerce são segurança, conforto e conveniência, que encontram nestas tecnologias a solução para vingarem. Podemos usar o software para facilitar o pagamento, manter os clientes informados do estado da encomenda, ter uma infraestrutura sempre disponível e para implementar um serviço de entrega interligado com a operação logística e gestão de stocks.

Resumindo, aquilo que há uns anos poderia parecer possível apenas para grandes empresas, está hoje ao alcance de qualquer PME ou pequeno negócio.

A aceleração digital está pois cada vez mais acessível a todos os tipos de negócio, independentemente da sua dimensão, e tem um efeito de diferenciação muito importante. No que respeita ao e-commerce, a escolha das empresas não pode ser se apostam ou não na implementação deste canal de venda, mas sim se querem assegurar o seu futuro ou deixar que outros ocupem o seu espaço no mercado.

Recomendadas

Livro revela que Elon Musk tentou ser CEO da Apple, mas dono da Tesla desmente rumor

“Não quero ser CEO de nada”, escreveu o Elon Musk na rede social Twitter na passada sexta-feira.

Testes de ‘stress’ do BCE analisaram Novo Banco entre os 51 médios e pequenos bancos abrangidos

De acordo com os dados publicados pela instituição, o banco liderado por António Ramalho poderia, num cenário adverso, perder entre 600 e 899 pontos base e atingir um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, abaixo de 8%.

Discotecas podem reabrir no domingo com regras da restauração, afirma associação

“Um estabelecimento que é considerado como discoteca tendo o CAE de bar, à imagem daquilo que os bares podem fazer, neste momento, que é estar abertos até às duas da manhã, com regras da restauração, sendo que estas regras da restauração não é obrigatoriedade de servir comida, mas sim têm a ver com distanciamento entre mesas, o número limitado de pessoas por mesa ou a exigência de certificado digital à porta durante o período de fim de semana, portanto estas regras da restauração aplicadas aos bares permitem também a discotecas com CAE de bar que o façam”, declarou o presidente da ADN.
Comentários