O lado positivo da disrupção

Hoje em dia é comum falar-se de disrupção para nos referirmos à mudança acelerada de muitos aspetos da nossa vida e da economia, mas por vezes não se distingue as diversas facetas dessa disrupção, distintas ainda que interligadas.

Hoje em dia é comum falar-se de disrupção para nos referirmos à mudança acelerada de muitos aspetos da nossa vida e da economia, mas por vezes não se distingue as diversas facetas dessa disrupção, distintas ainda que interligadas.

Temos assistido a transformações rápidas e profundas como o ressurgimento do populismo e do nacionalismo, de que resultou o Brexit ou a eleição de Trump e de outros líderes políticos que defendem o protecionismo, combatendo a globalização, sustentando-o nos efeitos perniciosos que tem como a desigualdade, mesmo que em simultâneo eleve grandes parcelas da população global acima do limiar de pobreza.

Também os fenómenos das alterações climáticas se têm intensificado e diversificado, resultando em recordes que são excedidos quase todos os anos de situações extremas, desde intempéries e cheias a secas dramáticas como a que quase levou à rutura do abastecimento de água à Cidade do Cabo na primavera.

Paralelamente, o génio humano trouxe-nos tecnologias que já não se limitam a trabalhar ao lado da pessoa, antes aumentam as suas capacidades e a informação que lhe está disponível, amplificam os seus sentidos e potenciam os seus músculos e o seu intelecto: drones, que nos permitem explorar o mundo de perspetivas anteriormente inacessíveis; óculos que interpretam e complementam o que vemos com informação extra que detetam ou obtêm da internet; roupas que analisam os nossos sinais vitais e nos fazem recomendações para aumentar o desempenho do nosso corpo em atividade física; e assistentes pessoais virtuais que nos acompanham permanentemente no nosso telemóvel e executam por nós tarefas do dia-a-dia, bem como respondem a dúvidas ou necessidades de informação que lhes colocamos dialogando através de linguagem natural, são alguns exemplos.

Estas forças colidem e combinam-se resultando em tendências como o envelhecimento ativo, fruto de tecnologias que atenuam os efeitos do declínio físico associado à idade, permitindo uma realização muito mais plena da vida humana que tende também a ser cada vez mais longa. Ou a radical alteração da definição de emprego, num mundo em que os robots estão a substituir as pessoas em cada vez mais tarefas de todo o tipo, dando um significado diferente às profissões, às reforma e ao pacto social que nelas assenta.

Longe de ser a maldição que alguns consideram o viver-se em tempos interessantes como estes, é provavelmente mais sensato considerarmos que com estes tempos vêm sim, oportunidades que há que explorar, mas também riscos que há que dominar.

Recomendadas

Dados, análise e personalização como fator de competitividade

Muitas empresas estão hoje empenhadas em fixar preços de forma dinâmica ou seja, pessoas diferentes pagam preços diferentes pelo mesmo produto ou serviço mas esta prática deve ser acompanhada também de um ajuste das experiências que se oferecem aos clientes, com base na informação recolhida, muitas vezes em tempo real, tratando-os de forma personalizada.

Paridade de género: Será bom para as empresas começar pelo Conselho de Administração?

Os mercados estão cada vez mais dinâmicos, com mudanças impulsionadas pela tecnologia, por alterações demográficas e por um papel mais ativo dos consumidores. Num mundo em constante desenvolvimento, as empresas com equipas diversas e ambientes inclusivos ficam em vantagem face aos seus concorrentes.

Porque têm as empresas de produtos de consumo de se transformar em empresas de soluções de consumo?

Nestes últimos meses temos tido o privilégio de estar com cada vez mais empresas que estão a tentar formar relações diretas com os consumidores, obrigando desta forma a que o retalho tenha a necessidade de redefinir o seu propósito e encontrar novas formas de criar valor.
Comentários