Premium“O nível de literacia jurídica em Portugal ainda é baixo”

Relatório de Sustentabilidade 2015-2017 da Abreu Advogados mostra que a firma reduziu a impressão de papel em 65% com gestão ‘paperless’ e aumentou a percentagem de mulheres para 60%.

O último relatório de Sustentabilidade da Abreu Advogados (2015-2017) mostra que, durante este período, medidas como o ‘Paper@less’ permitiram à sociedade reduzir o consumo de papel em 65% e diminuir as toneladas de carbono emitidas de 498 para 351. O documento tem ainda em conta indicadores as publicações do Instituto de Conhecimento (187), o volume de negócios (24,6 milhões de euros, mais 24% que no biénio 2013-2014) ou as atividades pro bono. Em entrevista ao Jornal Económico, Duarte d’Athayde, managing partner, afirma que, este ano, o relatório foi transformado em vídeo para “chegar a mais pessoas” e seguir a tendência da informação “num formato mais leve”.

A que se deve esta preocupação com a sustentabilidade?

De certa forma tem a ver com a nossa identidade e é inerente à forma como nós nos vemos. Nascemos como uma sociedade de advogados que se quis sempre institucional e perdurar para além da vida dos seus sócios fundadores. Uma sociedade de advogados que quer perdurar no tempo tem de se preocupar com a sustentabilidade e aquilo que vai acontecer no futuro e com a utilização dos recursos hoje, para que possam ser reutilizados pelas gerações futuras.

O relatório foi feito por quem?

Por nós. Somos nós que damos uma fotografia daquilo que temos feito em termos de sustentabilidade nos últimos anos. Mas, depois, temos um grupo externo de sustentabilidade que faz a autenticação, que olha para aquilo que produzimos, vê e verifica. Dão a sua opinião e participam também na elaboração do relatório. Ou seja, a base é dada por nós mas depois temos um painel de entidades externas, independentes que olham para o que nós fizemos e validam. É o quinto que fazemos. O primeiro foi em 2007/2008, o que significa que estamos há praticamente 10 anos a cobrir aquilo que a sociedade em termos de sustentabilidade e denota a preocupação que temos com a sua sobrevivência enquanto instituição. Surgiu a ideia logo no início, quando ninguém o tinha feito na área do Direito. É uma situação bastante ímpar em termos de sociedade de advogados e também de empresa portuguesa. Não é todos os dias que uma empresa tem este histórico de sustentabilidade relatado numa sequência destas. Destaco a nossa evolução.

 

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Recomendadas

Cuatrecasas apoia Indico Capital Partners na criação do fundo de 46 milhões de euros

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira prestou assessoria jurídica à Indico Capital Partners no lançamento do seu primeiro fundo de investimento em capital risco, com mais de 46 milhões de euros – comprometidos por investidores de oito países diferentes –, para investir em startups tecnológicas.

Jerónimo Martins e Sonae voltam a subir no ‘ranking’ global do retalho

“Para os retalhistas, estes indicadores macroeconómicos vão traduzir-se num crescimento mais lento dos gastos de consumo, no aumento dos preços e em perturbações nas cadeias de fornecimentos globais”, apontou, em comunicado, Miguel Eiras Antunes, sócio da Deloitte.

Bastonário dos advogados defende “adequação das custas e taxas judiciais ao país real”

Em discurso proferido hoje na sessão solene de abertura do ano judicial, Guilherme Figueiredo alertou para uma justiça que está “doente” e assim continuará enquanto “mantivermos uma justiça para ricos e uma justiça para pobres”.
Comentários