“O Nosso Bacalhau”. Indústria pede a supermercados e restaurantes para promoverem produto nacional

A indústria transformadora, que representa anualmente mais de 400 milhões de euros, diz que a interrupção das exportações provocou consequências graves na atividade, sendo consequência direta a entrada em regime de layoff de cerca de 40% deste universo.

A Associação dos Industriais do Bacalhau de Portugal (AIB) apelou esta segunda-feira às empresas de distribuição e restaurantes para promoverem o consumo do bacalhau produzido no país, à semelhança do que tem acontecido com outros produtos, de forma a inverter o aumento de importações e apoiar uma indústria nacional que viu as exportações interrompidas devido à pandemia da Covid-19.

Para esse efeito, a AIB enviou uma carta para as empresas de distribuição portuguesas, para a Associação que as representa (APED) e para a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares (AHRESP) .

“Esta indústria transformadora que representa anualmente mais de 400 milhões de euros de volume de negócios e na linha do que se tem vindo a fazer noutras áreas da produção nacional, desafia as  empresas de distribuição e os restaurantes a promoverem o consumo do bacalhau de produtores portugueses: O Nosso Bacalhau”, explicou a AIB.

Na carta, a associação recorda que atualmente existe um conjunto de produtores portugueses que tem presença nas cadeias de distribuição alimentar, mas saliente que é também conhecida a elevada quota de mercado que empresas
estrangeiras ocupam, designadamente, no que ao bacalhau salgado seco respeita.

“Este ano, nos primeiros meses, as importações de bacalhau salgado seco cresceram a dois dígitos, ao invés das de produção nacional, e  isto afeta negativamente as nossas associadas e por sua vez a economia do nosso país, com todos os efeitos nefastos que esta situação traz ao nível do emprego e da criação de valor”, explicou.

“Esta pandemia, cuja emergência sanitária levou ao encerramento abrupto dos estabelecimentos hoteleiros e da restauração e que, por ser global, também interrompeu os fluxos exportadores tradicionais desta indústria, provocou consequências graves na atividade das nossas associadas, sendo consequência direta a entrada em regime de layoff de cerca de 40% deste universo e com possíveis consequências futuras, nomeadamente, na extinção de postos de trabalho”, sublinhou.

A AIB referiu ainda que as unidades industriais de bacalhau portuguesas estão equipadas com as mais recentes tecnologias e respeitam todas as exigências regulamentares em termos de higiene e segurança alimentar.

Ler mais

Recomendadas

Pesca da sardinha vai reabrir em Portugal a partir de 17 de maio

A autorização através de um despacho governamental levanta uma proibição que tem já quase sete meses de duração.

GNR apreende mais de 205 toneladas de pescado congelado em Aveiro

Segundo esta força de segurança, no decurso de uma ação de fiscalização de pescado, foi detetada “uma descarga de pescado não autorizada, uma vez que todo o pescado deveria estar selado nos porões do navio”, daí resultando a apreensão de “cerca de uma tonelada de pescado fora dos porões”.

Três empresas criam parceria para levar peixe fresco à mesa dos portugueses

A DPD, a MercaChefe e a AlémMar uniram os seus esforços para distribuir peixe do mar em casa dos clientes de Portugal Continental em menos de 24 horas após a sua captura, sem a intervenção de qualquer intermediário.
Comentários