Técnico. Novo homem do leme é engenheiro mecânico

Rogério Colaço tomou posse e definiu as prioridades da sua direção.

DR

O Técnico tem novo presidente. Rogério Anacleto Cordeiro Colaço, professor catedrático do Departamento de Engenharia Mecânica, Área Científica de Projeto Mecânico e Materiais em Engenharia, vai estar ao leme da maior escola de engenharia do país até 2023.

Empossado no dia 2 de janeiro, pautou o seu discurso por um tom otimista e de confiança. Defendeu, nomeadamente, o aumento da participação em grandes projetos nacionais e internacionais, como forma de obtenção de receitas próprias pelas instituições de ensino superior, e a diminuição das barreiras burocráticas que os investigadores sentem durante a execução material e financeira de projetos.

No documento estratégico à sua candidatura, Rogério Colaço deixava bem claro um compromisso de continuidade: “Continuaremos o trabalho iniciado pela anterior direção, no respeito pela autonomia das comissões científicas de curso, estruturas e departamentos envolvidos”.

O Conselho de Gestão do Técnico integra como vice-presidentes: Alexandre Francisco (Assuntos Académicos), Fátima Montemor (Investigação e Assuntos Internacionais), Fernando Mira da Silva (Informática), Helena Galhardas (Campus Tagurpark), Helena Geirinhas Ramos (Assuntos Administrativos), Isabel Dias (Finanças), José Marques (Campus Tecnológico e Nuclear), Luís Correia (Parcerias Empresariais e Técnico +), Pedro Amaral (Instalações e Equipamentos), bem como o administrador Nuno Pedroso.

Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários