Técnico. Novo homem do leme é engenheiro mecânico

Rogério Colaço tomou posse e definiu as prioridades da sua direção.

DR

O Técnico tem novo presidente. Rogério Anacleto Cordeiro Colaço, professor catedrático do Departamento de Engenharia Mecânica, Área Científica de Projeto Mecânico e Materiais em Engenharia, vai estar ao leme da maior escola de engenharia do país até 2023.

Empossado no dia 2 de janeiro, pautou o seu discurso por um tom otimista e de confiança. Defendeu, nomeadamente, o aumento da participação em grandes projetos nacionais e internacionais, como forma de obtenção de receitas próprias pelas instituições de ensino superior, e a diminuição das barreiras burocráticas que os investigadores sentem durante a execução material e financeira de projetos.

No documento estratégico à sua candidatura, Rogério Colaço deixava bem claro um compromisso de continuidade: “Continuaremos o trabalho iniciado pela anterior direção, no respeito pela autonomia das comissões científicas de curso, estruturas e departamentos envolvidos”.

O Conselho de Gestão do Técnico integra como vice-presidentes: Alexandre Francisco (Assuntos Académicos), Fátima Montemor (Investigação e Assuntos Internacionais), Fernando Mira da Silva (Informática), Helena Galhardas (Campus Tagurpark), Helena Geirinhas Ramos (Assuntos Administrativos), Isabel Dias (Finanças), José Marques (Campus Tecnológico e Nuclear), Luís Correia (Parcerias Empresariais e Técnico +), Pedro Amaral (Instalações e Equipamentos), bem como o administrador Nuno Pedroso.

Recomendadas

Quatro escolas de negócio portuguesas no top 95 das melhores da Europa (com áudio)

Nova SBE, Católica-Lisbon e Porto Business School reafirmam a sua presença no ranking europeu do Financial Times de 2021, onde volta a estar o ISCTE após um ano de ausência. A escola do Porto é a que mais cresce e a Nova a primeira das portuguesas.

Rui Nunes: “Ciência, sim, tecnologia sim, mas com rosto humano e fiscalização pelas entidades próprias”

Professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Rui Nunes defende que a Humanidade não pode ficar subjugada pela ciência e pela tecnologia nem pelas grandes plataformas tecnológicas.

Nelson Ribeiro: “A ideia de que a universidade serve apenas para formar técnicos é algo que me assusta”

Para o diretor da FCH-Católica, o papel da Universidade é inquestionável: formar novas gerações capazes de pensar pela própria cabeça, de inovar e de desenvolver um espírito crítico. Formar apenas técnicos é olhar só para o presente. Sem perspetiva. “Precisamos de formar para o futuro”, diz Nelson Ribeiro, e “construir uma sociedade mais justa e mais inclusiva”.
Comentários