O professor do ano

Numa escola da Figueira da Foz há um professor que continua a transmitir paixão pelo conhecimento. Os alunos recordam e agradecem.

Carlos Portela é professor de Ciências Físico-Químicas na Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, na Figueira da Foz, desde 1992. E vem aqui referenciado pelo prémio que lhe foi atribuído em 2019: professor do ano, pela Casa das Ciências, da EDULOG, da Fundação Belmiro de Azevedo.

Nasceu em Moçâmedes, Angola, em 1966. Reside na Figueira da Foz desde 1992. É licenciado em Física e mestre em Ensino da Física e da Química, pela Universidade de Coimbra. Figura conhecida e influente na comunidade do ensino secundário das ciências em Portugal, viu assim reconhecido o mérito como docente do ensino básico e a disponibilidade de partilhar a sua experiência com os colegas.

Nas palavras de Bruno Moura, antigo aluno, “o professor Portela, para além de ser excelente no que faz, é uma pessoa que ama ensinar e consegue transmitir essa paixão aos alunos”. Os elogios prosseguem por parte de outra ex-aluna. “Representa tudo aquilo que na realidade devia ser o «professor»: alguém preocupado em transmitir o saber e o conhecimento para que os alunos o entendam”, realça Raquel Pina.

Carlos Portela não só ensinou como inspirou. É o que nos diz Inês Sebastião, ao recordar “a humildade, disponibilidade, simpatia e sentido de humor” do professor. “Ainda me recordo de bastantes momentos divertidos nas aulas que nos faziam aprender sem nos apercebermos disso. Agradeço por isso ao professor Carlos Portela o papel determinante no desenvolvimento da minha paixão por Física e por Química”.

Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários