O professor do ano

Numa escola da Figueira da Foz há um professor que continua a transmitir paixão pelo conhecimento. Os alunos recordam e agradecem.

Carlos Portela é professor de Ciências Físico-Químicas na Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, na Figueira da Foz, desde 1992. E vem aqui referenciado pelo prémio que lhe foi atribuído em 2019: professor do ano, pela Casa das Ciências, da EDULOG, da Fundação Belmiro de Azevedo.

Nasceu em Moçâmedes, Angola, em 1966. Reside na Figueira da Foz desde 1992. É licenciado em Física e mestre em Ensino da Física e da Química, pela Universidade de Coimbra. Figura conhecida e influente na comunidade do ensino secundário das ciências em Portugal, viu assim reconhecido o mérito como docente do ensino básico e a disponibilidade de partilhar a sua experiência com os colegas.

Nas palavras de Bruno Moura, antigo aluno, “o professor Portela, para além de ser excelente no que faz, é uma pessoa que ama ensinar e consegue transmitir essa paixão aos alunos”. Os elogios prosseguem por parte de outra ex-aluna. “Representa tudo aquilo que na realidade devia ser o «professor»: alguém preocupado em transmitir o saber e o conhecimento para que os alunos o entendam”, realça Raquel Pina.

Carlos Portela não só ensinou como inspirou. É o que nos diz Inês Sebastião, ao recordar “a humildade, disponibilidade, simpatia e sentido de humor” do professor. “Ainda me recordo de bastantes momentos divertidos nas aulas que nos faziam aprender sem nos apercebermos disso. Agradeço por isso ao professor Carlos Portela o papel determinante no desenvolvimento da minha paixão por Física e por Química”.

Recomendadas

PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

Ensino Superior destina 7% das vagas para emigrantes e familiares

O concurso nacional de acesso ao ensino superior, cuja primeira fase arranca a 7 de agosto, tem 3.599 vagas para emigrantes, disponibilizadas por 107 instituições em cerca de 5.000 cursos.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre abandono escolar: “Vai seguir as recomendações do Tribunal de Contas?”

O Tribunal de Contas diz que não é possível conhecer os reais números do abandono escolar em Portugal, devido a fragilidades no sistema de recolha de dados e de monitorização, lacunas que aconselha a resolver. A deputada Ana Rita Bessa quer ministro Brandão Rodrigues no Parlamento.
Comentários