O professor do ano

Numa escola da Figueira da Foz há um professor que continua a transmitir paixão pelo conhecimento. Os alunos recordam e agradecem.

Carlos Portela é professor de Ciências Físico-Químicas na Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, na Figueira da Foz, desde 1992. E vem aqui referenciado pelo prémio que lhe foi atribuído em 2019: professor do ano, pela Casa das Ciências, da EDULOG, da Fundação Belmiro de Azevedo.

Nasceu em Moçâmedes, Angola, em 1966. Reside na Figueira da Foz desde 1992. É licenciado em Física e mestre em Ensino da Física e da Química, pela Universidade de Coimbra. Figura conhecida e influente na comunidade do ensino secundário das ciências em Portugal, viu assim reconhecido o mérito como docente do ensino básico e a disponibilidade de partilhar a sua experiência com os colegas.

Nas palavras de Bruno Moura, antigo aluno, “o professor Portela, para além de ser excelente no que faz, é uma pessoa que ama ensinar e consegue transmitir essa paixão aos alunos”. Os elogios prosseguem por parte de outra ex-aluna. “Representa tudo aquilo que na realidade devia ser o «professor»: alguém preocupado em transmitir o saber e o conhecimento para que os alunos o entendam”, realça Raquel Pina.

Carlos Portela não só ensinou como inspirou. É o que nos diz Inês Sebastião, ao recordar “a humildade, disponibilidade, simpatia e sentido de humor” do professor. “Ainda me recordo de bastantes momentos divertidos nas aulas que nos faziam aprender sem nos apercebermos disso. Agradeço por isso ao professor Carlos Portela o papel determinante no desenvolvimento da minha paixão por Física e por Química”.

Recomendadas

Quatro escolas de negócio portuguesas no top 95 das melhores da Europa (com áudio)

Nova SBE, Católica-Lisbon e Porto Business School reafirmam a sua presença no ranking europeu do Financial Times de 2021, onde volta a estar o ISCTE após um ano de ausência. A escola do Porto é a que mais cresce e a Nova a primeira das portuguesas.

Rui Nunes: “Ciência, sim, tecnologia sim, mas com rosto humano e fiscalização pelas entidades próprias”

Professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Rui Nunes defende que a Humanidade não pode ficar subjugada pela ciência e pela tecnologia nem pelas grandes plataformas tecnológicas.

Nelson Ribeiro: “A ideia de que a universidade serve apenas para formar técnicos é algo que me assusta”

Para o diretor da FCH-Católica, o papel da Universidade é inquestionável: formar novas gerações capazes de pensar pela própria cabeça, de inovar e de desenvolver um espírito crítico. Formar apenas técnicos é olhar só para o presente. Sem perspetiva. “Precisamos de formar para o futuro”, diz Nelson Ribeiro, e “construir uma sociedade mais justa e mais inclusiva”.
Comentários