O que é a coligação “Jamaica”, nunca tentada na Alemanha?

A vitória, sem maioria absoluta, de Angela Merkel aumentam as hipóteses de a chanceler ter de ‘fazer as malas’ e rumar a Kingston: juntar-se ao FDP e aos Verdes.

Alemanha

Preto, amarelo e verde. As cores da bandeira da Jamaica são as cores com as quais Angela Merkel, que venceu as eleições legislativas deste domingo com cerca de 32%, poderá contar para pintarem a sua coligação.

Para ter maioria absoluta, a chanceler alemã, através do partido que lidera, a União Democrata-Cristã (CDU), precisa de se juntar aos liberais – Partido Democrático Liberal (FDP) – e aos ambientalistas – Os Verdes. Assim, poderiam somar mais de 50% dos votos e formar um governo maioritário. A coligação “Jamaica” nunca foi tentada na Alemanha a nível nacional. No entanto, os estados de Sarre e de Schleswig-Holstein já tentaram esta opção política.

Segundo as projeções iniciais, o FDP conquistou 10,4% dos votos e Os Verdes 9,1%. No discurso que sucedeu à apresentação destes números, Katrin Göring-Eckardt, líder do partido ecologista, agradeceu aos militantes e mostrou-se realizada pelos resultados obtidos: “Quem é que pensaria isto?”, disse.

A participação eleitoral neste escrutínio aumentou em comparação com as últimas eleições legislativas, com 75 a 76,5% dos eleitores alemães a deslocarem-se às urnas. No ano de 2013, apenas 71,5% dos eleitores votaram.

Ler mais
Relacionadas

Schulz termina coligação com a CDU: “Hoje é um dia difícil e amargo”

O SDP teve o pior resultado de sempre. “Vamos lutar pelos nossos valores na próxima legislatura”, garantiu o social-democrata.
Recomendadas

Angela Merkel ainda não desistiu de Schulz

A chanceler parece preferir a coligação com o SPD, ao mesmo tempo que tenta convencer Os Verdes e os liberais do FDP a aceitarem sentar-se juntos no próximo executivo – apesar de todas as diferenças entre as duas formações políticas.

Angela Merkel quer manter conversações com SPD para formar coligação

A chanceler alemã quer encetar conversações com o SPD de Martin Schulz, que conseguiu 20,5% dos votos, o Partido Liberal (9,2%) e os Verdes (8,9%). De fora da lista de preferências de Angela Merkel fica a extrema-direita, representada pela AfD.

“Vitória amarga”. Imprensa internacional reage aos resultados das eleições alemãs

A maior economia da União Europeia reelegeu Angela Merkel para um quarto mandato à frente do Bundestag, mas os democratas-cristãos registaram um dos resultados mais baixos da história do partido (33% segundo dados provisórios).
Comentários