O que precisa de ter em conta ao ler a fatura da água e da eletricidade?

Ler e interpretar a fatura de eletricidade é muito importante, mas não é simples e com a existência de vários comercializadores, e mais complicada é a sua compreensão.

Dicas para ser um consumidor de água informado e prevenido:

1.       As entidades gestoras da água (+ de 500) podem ser estatais ou municipais, o que resulta numa grande disparidade de preços com diferentes formas de cálculo das tarifas aplicadas. 80% dos municípios juntam à fatura da água a cobrança dos resíduos, logo quanto mais água gasta, mais lixo paga.

2.       É importante saber ler (e fazê-lo) a fatura da água: a maioria das entidades cobram 2 tipos de tarifas: tarifas fixas, cujo valor é independente dos consumos efetuados pelo consumidor e as tarifas variáveis que são associadas à quantidade de água consumida.

3.       Na fatura é referida também a cobrança de outros serviços prestados pela entidade gestora, como, por exemplo, a suspensão e reinício da ligação do serviço a pedido do utilizador ou por atraso no pagamento das faturas.

4.       Não basta ler a fatura, deve também saber interpretá-la. Os limites dos escalões do consumo da água são calculados para um período de 30 dias e em 4 escalões: 1º até 5m3; 2º superior a 5m3 e até 15m3; 3º superior a 15m3 e até 25m3 e 4º superior a 25m3.

5.       O valor final apresentado na fatura da água resulta da soma de: taxa de serviço da água + taxa de resíduos (recolha e tratamento de lixo) + tarifa de saneamento (rede de esgotos) + taxa de recursos hídricos (compensa a utilização e a poluição da água) + taxa de gestão de resíduos (compensa os custos dos aterros) + IVA (6%).

6.       Os consumidores devem informar-se junto do prestador de serviços sobre a existência de tarifários especiais. Nem todas as entidades gestores têm estes tarifários e, quando existem, os critérios de elegibilidade podem ser diferentes de entidade para entidade.

Dicas para ser um consumidor de eletricidade informado e prevenido:

1.     Em Portugal, o mercado de energia está liberalizado, por isso o consumidor pode mudar de comercializador e para tal só precisa seguir 3 passos: 1. Saber quem são os comercializadores e contactá-los para obter propostas de fornecimento que se adaptem ao seu perfil de consumo. 2. Comparar os preços e compare as propostas de fornecimento com a atual situação. 3. Celebrar o contrato com o novo comercializador, de acordo com as condições negociadas.

2.      O consumidor deve informar-se sobre a tarifa social – desconto na tarifa de acesso às redes de eletricidade em baixa tensão e/ou de gás natural em baixa pressão, que compõe o preço final faturado ao consumidor – e sobre as condições de acesso a essa tarifa de apoio.

3.     Cuidado com as vendas agressiva e à sua porta. Muitas vezes as empresas comercializadoras de energia recorrem a práticas comerciais enganosas e agressivas, seja nas vendas por telefone ou nas vendas no domicílio. Sendo um contrato celebrado fora do estabelecimento comercial, o consumidor pode cancelar o contrato no período de 14 dias após a assinatura.

4.     Ler e interpretar a fatura de eletricidade é muito importante, mas não é simples e com a existência de vários comercializadores, mais complicada é a sua compreensão. Deve saber que o valor final a pagar na fatura de eletricidade é igual à eletricidade consumida em kWh x preço kWh + custos com a potência + taxas e impostos.

5.     A fatura tem informação sobre as datas e períodos de fornecimento de eletricidade faturados, custos com a potência contratada, custos com a energia consumida, custos com serviços contratualizados e as taxas e imposto a pagas:

– IVA, contribuição audiovisual, taxa de exploração das instalações elétricas (DGEG)

– imposto especial de consumo de eletricidade (IEC).  Ainda sobre os dados do contrato e do comercializador, sobre o pagamento a efectuar (por ex a data limite), o impacto ambiental do seu consumo e as condições de preço regulado.

6.     Não se esqueça de dar a leitura mensal do seu contador de eletricidade e de avaliar se a potência do seu contador é mais indicada para os seus consumos.

Informe-se com a sua Associação.

Conte com o apoio da DECO. Retomámos o atendimento presencial. Pode agendar a sua consulta através dos contactos: 213 710 200 ou email: deco@deco.pt. Visite o nosso site DECO.PT e siga-nos nas páginas de Facebook, Twitter, Instagram e Linkedin.

Recomendadas

Venda de smartphones sem carregador é correta à luz da lei?

Se o profissional não inclui um adaptador de corrente com o smartphone e que não informa, de forma cuidadosa, o consumidor – trata-se de uma omissão enganosa e, como tal, conduz ou é suscetível de conduzir o consumidor a tomar uma decisão de compra que não teria tomado de outro modo.

OE2022: Inquilinos defendem mais cinco anos para período de transição de rendas antigas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) defende o prolongamento por mais cinco anos do período transitório para contratos de arrendamento anteriores a 1990, sendo esta uma das medidas que quer ver incluída no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

Lisboa. Avenida Fontes Pereira de Melo fecha ao trânsito temporariamente

Segundo a autarquia, a avenida estará encerrada para que se proceda à realização de trabalhos no coletor e reposição da infraestrutura, que estima durarem toda a semana.
Comentários