O que (realmente) importa na escolha do seguro do carro

A lei obriga os condutores ao seguro contra terceiros mas, será essa a melhor escolha para si? Tome nota das indicações de um especialista e saiba como escolher o seguro do carro mais adequado às suas necessidades.

O automóvel continua a ser um dos principais meios de transporte em Portugal, por esse motivo, e pelo facto de ser obrigatório, o seguro automóvel é geralmente o seguro mais conhecido e procurado.
Os condutores têm de ter pelo menos o seguro de Responsabilidade Civil Obrigatória, também conhecido por seguro contra Terceiros, para que, no caso de acidente, esteja assegurada a cobertura dos danos corporais e materiais causados a terceiros, assim como danos materiais em estruturas.

Ao procurar um seguro automóvel, deve ter em conta as várias coberturas opcionais existentes, que lhe permite personalizar e adaptar o seguro às suas necessidades, sendo as mais populares a Quebra Isolada de Vidros e a de Veículo de Substituição.

No entanto, e se estiver a segurar um veículo novo, pode considerar contratar uma proteção mais completa, optando por um seguro de danos próprios, que cobre os danos materiais causados ao próprio veiculo e ocupantes.

O preço do seguro varia de acordo com vários fatores, como por exemplo, os dados do condutor, do veiculo, da área de residência, e o tipo de seguro selecionado. Escolha o produto mais adequado para si e lembre-se que o mais importante é garantir a sua segurança e a do seu automóvel.
Recomendadas

Superbrands: há uma marca portuguesa entre as 10 preferidas pelos consumidores

Dentro dos setores avaliados, aqueles mais relevantes são os de motores, eletrónica e moda de consumo, superfícies comerciais e desporto.

Respostas Rápidas. O que são as transferências imediatas?

É possível, desde esta terça-feira, fazer transferências imediatas entre contas bancárias portuguesas e a ideia é que seja generalizado aos 34 países da SEPA. Perceba como funciona e o que implica.

Tarifa social da água: municípios sem regras uniformes, alerta Deco

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor fez as contas e concluiu que a tarifa social da água, saneamento e resíduos não é igualmente distribuída pelos cidadãos: 99 em 383 câmaras não a aplicam em nenhum serviço. Mas mesmo entre as que a adotam, existem incongruências nos critérios, alerta a Deco.
Comentários