“O que se passou esta semana foi demasiado grave”. Vítor Constâncio diz que vai processar o jornal Público

O antigo governador do Banco de Portugal fez a revelação num artigo de opinião publicado, este sábado, pelo jornal Expresso. “A minha complacência acabou. Processarei o jornal que iniciou e insistiu nas calúnias”, lê-se no texto.

Num artigo de opinião publicado no jornal Expresso, este sábado, Vítor Constâncio garantiu que vai processar o jornal Público, no seguimento de uma publicação que envolveu o ex-governador do Banco de Portugal nos créditos da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo, para comprar ações do BCP.

“Durante os oito anos em que estive no Banco Central Europeu, liguei pouco ao que se disse ou não disse em Portugal sobre mim. Talvez tenha sido complacente com algumas calúnias que, ao longo desse tempo, foram sendo propaladas”, lê-se no artigo de opinião.

“Mas o que se passou esta semana foi demasiado grave, e a minha complacência acabou. Processarei o jornal que iniciou e insistiu nas calúnias”, escreve Vítor Constâncio, que também já admitiu processar o ex-administrador do BCP Filipe Pinhal pelas declarações feitas na sua audição na comissão de inquérito à gestão da Caixa.

Para o antigo governador do Banco de Portugal, as notícias publicadas contra ele servem para desviar as atenções de “pessoas que cometeram crimes e abusaram de um sistema que, sobretudo até 2008, concedeu à supervisão bancária poderes legais limitados e assentou numa excessiva confiança na gestão privada dos bancos e na pretensa autorregulação dos mercados financeiros”.

Recomendadas

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Funcionários do Tribunal Central estão presos no elevador

Três funcionários judiciais do Tribunal Central de Instrução Criminal estão presos, há uma hora, no elevador do edifício.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários