“O salário médio tem de subir significativamente”, refere António Costa

O primeiro-ministro destaca que durante os quatros anos de legislatura ” foram criados 350 mil postos de trabalho em termos líquidos”.

António Costa diz que “o salário médio [dos portugueses] tem de subir significativamente”. Em entrevista à “TVI”, o primeiro-ministro destaca que “nesta legislatura o salário mínimo subiu 20%”.

“Quando estabelecemos esta meta muitos disseram que vinha aí ‘o diabo’, que o investimento ia fugir e o desemprego não ia diminuir. A verdade é que conseguimos esta revalorização do salário mínimo e ao mesmo tempo tivemos uma criação recorde de emprego. Os 600 euros de salário mínimo foram a meta da recuperação da crise”, sublinhou António Costa.

O primeiro-ministro português relembra que “ao longo destes quatro anos foram criados 350 mil postos de trabalho em termos líquidos”e que é necessário “prosseguir esta trajetória”.

António Costa realça que “não devemos só negociar o salário mínimo. Temos um problema geral de vencimentos na sociedade portuguesa”, e que além do salário médio, também “o salário dos jovens licenciados tem de subir significativamente”.

Relacionadas

“A partir de 2017 voltamos a crescer acima da média europeia”, afirma António Costa

O primeiro-ministro salienta que “todas as instituições internacionais prevêem que em 2020 e 2021″ Portugal continue a crescer acima da média europeia”.

António Costa assume “perspetivas de trabalho de longo prazo” com Mário Centeno

Em entrevista à “TVI” o primeiro-ministro diz que só falará com o ministro das Finanças e a sua continuidade, “se os portugueses me derem confiança para formar Governo”.
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários