O sonho da primeira casa

A compra de casa para as gerações mais novas tornou-se num problema complexo com múltiplas dificuldades e obstáculos.

Eu faço parte do grupo de jovens que já está quase a atingir o limite daquilo que se considera ser jovem na sociedade actual. Recordando os nossos sonhos de infância a nossa geração sente-se falhada! Quase todos nós, nos tempos de escola, imaginamos que a nossa vida, por esta altura, já seria bem diferente. Já estaríamos a viver sozinhos, já teríamos a nossa primeira casa, já teríamos o carro pago, faríamos outro tipo de férias. Para quase uma geração inteira esses sonhos tornaram-se em miragens, como consequência das crises económicas mundiais recentes que mudaram fortemente o funcionamento da sociedade e da economia. Mas e então que futuro esperar para nós e para uma sociedade que tem os jovens independentes cada vez mais tarde, que têm os primeiros filhos cada vez mais tarde e logo menos filhos e que tem as suas gerações mais qualificadas de sempre mal aproveitadas e motivadas?

A compra de casa para as gerações mais novas tornou-se num problema complexo com múltiplas dificuldades e obstáculos. Para muitos a instabilidade laboral, mesmo que por opção pessoal, visto que o futuro dar-nos-á uma cada vez maior percentagem de trabalhadores por conta própria dadas as características, ambições e preferências das novas gerações, torna-se num factor impeditivo de acesso ao crédito. A nossa sociedade terá que reflectir, com urgência, sobre como é que o sistema bancário se irá adaptar a esta nova realidade cultural, mas até lá a minha geração e talvez ainda a próxima sofreremos com o atraso nessa adaptação.

Para outros, a necessidade, recentemente imposta pelo Banco de Portugal, de que os jovens casais tenham um valor de entrada de, pelo menos, 10% do valor do imóvel para acederem ao financiamento atrasa, por muitos anos, a concretização desse sonho, visto que com o actual poder de compra das famílias Portuguesas poupar um valor dessa ordem de grandeza pode levar décadas.

Para todos, porém, a evolução dos preços dos imóveis tanto no mercado da compra e venda como do arrendamento, em comparação com a evolução do poder de compra, torna o desejo de independência uma completa miragem. Apesar de na Madeira ainda não se viver o nível de desequilíbrio de mercado que já se vive nas duas maiores cidades Portuguesas, a verdade é que a evolução deve começar a preocupar-nos agora, enquanto ainda há tempo para encontrar medidas que permitam nunca chegarmos a situações tão dramáticas como as vividas nessas duas cidades.

O debate sobre as soluções para resolver os desequilíbrios do mercado imobiliário tornou-se num dos grandes debates ideológicos esquerda-direita dos nossos tempos! Como sempre a solução da esquerda é restringir liberdades! É proibir os estrangeiros de comprarem casa cá em Portugal, é de proibir que uma família possa ter uma segunda habitação, para férias por exemplo. A solução, historicamente, é sempre a mesma! Proibir, proibir e voltar a proibir! É neste cenário que cada vez mais a direita tem que ser o garante das liberdades! Afirmar as soluções de mercado que promovam o aumento da oferta, em detrimento de restringir a procura. Soluções que promovam o aumento da construção de habitações, que requalifiquem imóveis do Estado degradados para habitação, que cooperem com privados para garantir o máximo potencial dessa requalificação de imóveis. A direita, hoje e sempre, deve ser um garante das liberdades económicas, mas também das liberdades individuais de cada um de nós! Em breve espero explorar também a fundo essa necessidade da direita se afirmar também nas liberdades individuais e sociais!

O autor do texto escreve segundo a antiga ortografia da Língua Portuguesa.

Recomendadas

As afinidades electivas do Coronavírus

“O coronavírus não gosta de teatro, nem de espectáculos, nem da cultura em geral”. E mais: tem dois pesos e duas medidas – não ataca em aviões mas é perigoso nos teatros; não ataca nos comboios mas infecta os mesmos trabalhadores que neles se deslocam – mas só nos tempos de descanso no seu local de trabalho! E suspeita-se que não atacará também em alguns eventos públicos municipais que beneficiarão da maior fatia dos 30 milhões de apoio governamental para a cultura (em detrimento de outros programas para a cultura, quando este sector precisa urgentemente de apoio!), mas já noutros encontros e festivais culturais … pondere-se bem, é bem provável que a sua virulência seja acentuada.

Avante!: Se não paga imposto, claramente não é um Festival de Verão

Tal como no 1º de Maio, foi o PS e o Governo que decidiram que em Portugal fazia realmente sentido a máxima socialista/comunista de a lei e o sacrifício para muitos, os privilégios só para os nossos! A argumentação do PS e do Governo para apoiar a Festa do Avante, apesar de proibir todos os festivais de verão, é claramente hilariante a todos os níveis. É também a confirmação de que em Portugal sempre fomos um país de dois níveis: os privilegiados e todos os outros. O Governo e o PS afirmam que a Festa do Avante não é um Festival de Verão e por isso não fica proibido como todos os restantes. Têm toda a razão! O Avante não paga impostos sobre as operações comerciais e os rendimentos obtidos há já muitos anos! Todos nós sabemos disso, todos nós vivemos com isso, mas ninguém ou quase ninguém se incomoda com isso.

Muro ou moinho de vento?

Encare esta crise como uma oportunidade! Uma oportunidade para mudar a sua vida ou uma oportunidade para descobrir que já está no caminho certo! Não importa, o que importa é que tente fazer ou ser aquilo que verdadeiramente o faz feliz!
Comentários