Obras na estação do Metro de Arroios já vão no terceiro aumento, encarecendo 2,24 milhões

No final de 2016 o Metropolitano de Lisboa decidiu ampliar a estação de Arroios. O valor das obras era de 4,6 milhões de euros. Vamos em fevereiro de 2019 e o valor já aumentou para 6,84 milhões de euro, mas a conclusão destas obras nunca será antes de 2021.

Rafael Marchante/Reuters

Encerrada para obras de ampliação desde julho de 2017, a estação de Metro de Arroios, da Linha Verde, em Lisboa, já viu o valor das empreitadas ser aumentado três vezes, encarecendo 2,24 milhões de euros face ao montante inicial de 4,6 milhões de euros proposto para esta empreitada. O Jornal Económico sabe que não é previsível que estas obras terminem antes de 2021.

A estação de Metro de Arroios continua encerrada para obras de ampliação. Foi objeto de um concurso público internacional em 2016. Foi-lhe consagrada uma primeira portaria em janeiro de 2017 que autorizou obras de 4,6 milhões de euros. Seguiu-se uma segunda portaria em março de 2017 que ajustou o valor das obras para 5,9 milhões. Depois foi feita a resolução deste contrato, por incumprimento.

Agora foi publicada uma nova portaria, em Diário da República, em fevereiro de 2019, a autorizar o lançamento de um novo concurso no valor de 6,84 milhões de euros para realizar as referidas obras na estação de Arroios.

O Metropolitano de Lisboa pode agora lançar novo contrato de empreitada de ampliação e reformulação da estação Arroios. “Por incumprimento contratual do adjudicatário, o Município de Lisboa viu-se obrigado a resolver o contrato, concretamente por atraso na execução da empreitada”, refere o novo diploma legal que agora entrou em vigor, explicando que o atraso da empreitada é uma “situação que se tornou insustentável”.

A nova empreitada que ascenderá a 6,84 milhões de euros também não será rapidamente executada porque as respetivas obras serão distribuídas pelos anos de 2019 (no valor de 2,1 milhões de euros), 2020 (com 4,62 milhões) e 2021 (que rematará a obra por mais 40 mil euros).

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários