OCDE, mais pessimista que o Governo, vê economia nacional a crescer 1,8% no próximo ano

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico projeta que o crescimento do PIB continue a desacelerar até 2021. O menor consumo das famílias contribui para esta evolução, mas aumento das exportações deve resistir “devido aos ganhos de competitividade”.

Cristina Bernardo

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) prevê que o crescimento da economia portuguesa continue a desacelerar até 2021, cortando ligeiramente a projeção sobre a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) para 2020. A organização liderada por José Ángel Gurría alinha, no entanto, expectativas com o Governo e prevê défice nulo já no próximo ano e de 0,1% este ano.

No “Economic Outolook”, publicado esta quinta-feira, a OCDE vê a economia portuguesa a crescer 1,9% este ano, subindo ligeiramente as projeções face ao relatório publicado em maio, quando via o PIB a crescer 1,8%, e alinhando com as previsões do Governo. No entanto, para o próximo ano desce em 0,1 ponto percentual (p.p.) as projeções e vê a economia nacional a crescer 1,8%, desacelerando para 1,7% em 2021. As projeções para 2020, ficam assim 0,2 p.p. abaixo do cenário das Finanças, inscrito no esboço orçamental.

A OCDE considera que a contribuir para esta evolução estão a diminuição do consumo interno, compensada pela resistência das exportações portuguesas ao abrandamento internacional, devido aos ganhos de competitividade.

“Apesar da baixa inflação e das condições financeiras favoráveis, o crescimento das despesas das famílias deve diminuir devido a alguma moderação no crescimento do emprego e à estabilização do crescimento dos salários”, antecipa a OCDE.

A instituição com sede em Paris considera ainda que “apesar da fraca procura externa, as exportações devem continuar a crescer devido aos ganhos de competitividade”, influenciados pelo baixo crescimento do custo unitário do trabalho. Este é aliás um dos fatores identificados pela instituição, a par da melhoria do desempenho do mercado de trabalho “como resultado das reformas estruturais em curso”.

Por sua vez, o Governo português, no esboço orçamental enviado a Bruxelas em outubro, previu um défice de 0,1% e um crescimento de 1,9% este ano.

Para a OCDE, o crescimento do investimento irá aumentar em 2021, suportado por uma maior absorção dos fundos estruturais da União Europeia, o que irá impulsionar as importações.

Entre os riscos negativos, elenca uma deterioração adicional das perspectivas de crescimento na União Europeia e a incerteza provocada pelo Brexit, que pode afetar o comércio e o turismo.

A OCDE repete ainda o aviso de várias instituições internacionais, ao sublinhar que o setor bancário continua vulnerável a choques financeiros, devido aos elevados níveis de malparado.

OCDE alinha com Governo e acredita em défice nulo em 2020

A OCDE acredita nas metas das Finanças para o défice orçamental e acredita que Portugal atinja o défice nulo no próximo. Para este ano, projeta um défice de 0,1%, tal como a Comissão Europeia.

“Prevê-se que a orientação orçamental seja amplamente neutra em 2020-21, o que é apropriado, dada a ausência de folga económica, e a relação dívida pública/PIB continuará a diminuir”, explica.

A instituição acredita ainda que “o aumento da eficiência” da despesa pública irá suportar a criação de almofadas para enfrentar choques imprevistos e o impacto orçamental do envelhecimento da população.

Ler mais

Relacionadas

OCDE corta crescimento da economia mundial para 2,9% e apela a ação política concertada

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento projeta um crescimento do PIB mundial de 2,9% no próximo ano e da zona euro de 1,2%. Instituição alerta para a necessidade de ações políticas “imediatas” para diminuir a incerteza internacional e aumentar a resiliência contra os riscos.
Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários