OE 2021. Ciência e Ensino Superior vão ter mais 435 milhões no próximo ano

Orçamento de Ministério liderado por Manuel Heitor tem subida de 17% face a 2020. Uma pequena verba de 11,3 milhões destina-se à “prevenção, mitigação e tratamento” da covid-19 e “garantir a normalidade” durante a pandemia.

Manuel Heitor, Ministro das Ciências Tecnologias e Ensino Superior | Cristina Bernardo

Manuel Heitor vê o orçamento do seu ministério crescer 435 milhões face a 2020, ou seja, mais 17%, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2021, entregue esta segunda-feira na Assembleia da República.

No total, o orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior vai contar em 2021 com 2.989,5 milhões de euros, dos quais 741 milhões provenientes de fundos europeus.

Segundo o documento, a maior fatia – 1637,3 milhões de euros, o equivalente a 54,8%, do total – assegura as despesas com pessoal. Uma segunda fatia, no valor de 495 milhões destina-se a transferências correntes, de onde sai o financiamento das bolsas do Fundo de Ação Social e das bolsas de investigação da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

O Governo anuncia “um aumento dos apoios sociais de 28%, incluindo um alargamento do número de bolseiros e do valor das bolsas de estudo”. Um “reforço da dotação inicial da FCT em 4% com base em receitas de impostos, a orientar para o reforço da consolidação do sistema científico e da garantia de periocidade e regularidade dos apoios, estimulando o compromisso com a ciência e o conhecimento”. E “o aumento de 2% na dotação inicial das Instituições de Ensino Superior Públicas, para apoiar o alargamento, modernização, qualificação e diversificação do Ensino Superior”, como consta do “Contrato de Legislatura” assinado com as instituições para o período 2020-2023.

Outras das metas é “reforçar a participação de Portugal em atividades de investigação e inovação em organizações europeias, “incluindo o reforço da valorização da participação de Portugal na Agência Espacial Europeia”.

Na proposta do OE 2021 destaca-se ainda uma verba de 11,3 milhões de euros com contingência da covid-19 no ensino superior, o que representa apenas 0,3% do total da despesa efetiva não consolidada. A verba destina-se à “prevenção, mitigação e tratamento” da covid-19, para a qual estão previstos 8,1 milhões de euros, e a “garantir a normalidade”, com 3,2 milhões de euros.

O documento prevê ainda a isenção de IVA na aquisição de mercadorias necessárias ao combate à pandemia a instituições científicas do ensino superior que tenham celebrado protocolos com o Estado de forma a desenvolver atividade relacionada com a contenção da propagação da doença.

A proposta de Orçamento do Estado para 2021 entra agora em análise e debate, estando prevista a votação final global do documento a 26 de novembro.

 

Ler mais
Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários