“OE tem uma marca de esquerda bem visível”, diz Mariana Vieira da Silva (com áudio)

A ministra da Presidência vincou na entrevista à “Renascença” e ao “Público”, quando questionado sobre hipóteses de negociação com o PSD, que o “OE que é aqui apresentado tem uma marca de esquerda bem visível”, perspetivando algumas negociações difíceis com os sociais-democratas.

TIAGO PETINGA/LUSA

O Bloco de Esquerda e o Partido Comunista já assumiram que vão votar contra o Orçamento do Estado para 2022 caso não se verifiquem alterações. Esta quinta-feira, a ministra da Presidência assumiu que o orçamento apresentado pelo Governo tem marcas de esquerda, mostrando-se disponível para negociar.

“O OE responde a muitas das preocupações que têm sido sinalizadas pelos dois partidos, pelo PCP e pelo BE. A nossa expectativa é que – sendo este um OE que responde às expectativas do país – possa ser aprovado depois dessa negociação”, disse Mariana Vieira da Silva em entrevista à “Rádio Renascença” e ao “Público”.

A ministra da Presidência vincou na entrevista, quando questionado sobre hipóteses de negociação com o PSD, que o “OE que é aqui apresentado tem uma marca de esquerda bem visível”, perspetivando algumas negociações difíceis com os sociais-democratas.

“Os poucos comentários que até ao dia de hoje conhecemos [do PSD] sobre as matérias orçamentais são que nunca fariam um aumento de salário mínimo tão grande ou que, provavelmente, se pudessem nem o fariam e que um dos problemas que o país tem é um excesso de apoios sociais”, disse Mariana Vieira da Silva. “Todas as intervenções mostram a dificuldade que é encontrar um caminho comum de recuperação da crise entre o PS e o PSD”, evidenciou.

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários