OE2019 traz menor redução nominal do défice desde 2010, avisa Fórum para a Competitividade

Na nota de conjuntura de outubro do Fórum para a Competitividade, Joaquim Miranda Sarmento sublinha o calendário eleitoral e destaca que o Executivo “reduz o défice apenas na medida da redução da despesa com juros e no aumento dos dividendos” do Banco de Portugal e da CGD.

O Fórum para a Competitividade destaca na nota de conjuntura de outubro, publicada esta quarta-feira, que as previsões sobre o défice inscritas no Orçamento do Estado para (OE2019) apontam para a menor redução nominal do défice desde 2010.

“Trata-se contudo de uma redução nominal de 0.4 p.p., a mais baixa redução do défice nominal desde 2010. Num período de expansão económica e quebra do desemprego, bem como de redução da fatura de juros e aumento muito significativo dos dividendos e do IRC do Banco de Portugal, o governo opta por não fazer consolidação orçamental em 2019”, escreve o economista Joaquim Miranda Sarmento.

Joaquim Miranda Sarmento sublinha o calendário eleitoral e destaca que o Executivo “reduz o défice apenas na medida da redução da despesa com juros e no aumento dos dividendos” do Banco de Portugal e da CGD.

“O cenário macro do OE2019 é francamente otimista para 2019, prevendo um crescimento de 2%, quando a maioria das entidades internacionais e nacionais (sobretudo aquelas cujas previsões são mais recentes), aponta para um crescimento abaixo dos 2%”, diz.

O economista acusa ainda o ministro Mário Centeno de desenhar um orçamento “para agradar à extrema-esquerda que sustenta a “geringonça” e depois executa para cumprir com Bruxelas”.

Recomendadas

Rui Patrício: “O ‘compliance’ é uma oportunidade de negócio”

Está a decorrer a conferência “Integridade e Responsabilidade Empresarial”, em Lisboa, organizada pelo Observatório Português de Compliance e Regulatório.

Angola quer ajuda de todos os países e instituições no combate ao crime financeiro

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse, em Lisboa, que o país africano quer “a ajuda de todos os países e governos e instituições” no âmbito do repatriamento de capitais, desvalorizando a nacionalidade do detentor dos capitais.

FMI recomenda “donativos e crédito altamente concessional” a Moçambique

“A missão sublinhou a importância de o Governo se apoiar em financiamento externo por donativos e crédito altamente concessional”, refere a organização internacional.
Comentários