OE2019 traz menor redução nominal do défice desde 2010, avisa Fórum para a Competitividade

Na nota de conjuntura de outubro do Fórum para a Competitividade, Joaquim Miranda Sarmento sublinha o calendário eleitoral e destaca que o Executivo “reduz o défice apenas na medida da redução da despesa com juros e no aumento dos dividendos” do Banco de Portugal e da CGD.

O Fórum para a Competitividade destaca na nota de conjuntura de outubro, publicada esta quarta-feira, que as previsões sobre o défice inscritas no Orçamento do Estado para (OE2019) apontam para a menor redução nominal do défice desde 2010.

“Trata-se contudo de uma redução nominal de 0.4 p.p., a mais baixa redução do défice nominal desde 2010. Num período de expansão económica e quebra do desemprego, bem como de redução da fatura de juros e aumento muito significativo dos dividendos e do IRC do Banco de Portugal, o governo opta por não fazer consolidação orçamental em 2019”, escreve o economista Joaquim Miranda Sarmento.

Joaquim Miranda Sarmento sublinha o calendário eleitoral e destaca que o Executivo “reduz o défice apenas na medida da redução da despesa com juros e no aumento dos dividendos” do Banco de Portugal e da CGD.

“O cenário macro do OE2019 é francamente otimista para 2019, prevendo um crescimento de 2%, quando a maioria das entidades internacionais e nacionais (sobretudo aquelas cujas previsões são mais recentes), aponta para um crescimento abaixo dos 2%”, diz.

O economista acusa ainda o ministro Mário Centeno de desenhar um orçamento “para agradar à extrema-esquerda que sustenta a “geringonça” e depois executa para cumprir com Bruxelas”.

Recomendadas

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Quer comprar um carro elétrico? Conheça os novos apoios e saiba como pedir

Se está a pensar em comprar um carro elétrico para poupar o ambiente e deixar de gastar meio salário no posto de combustível, saiba que o Estado criou um conjunto de incentivos fiscais que pode aproveitar.

FMI: “O verdadeiro desafio de Portugal é melhorar as perspetivas de crescimento a longo prazo”

Apesar de não traçar um cenário alarmista, David Lipton enumerou os riscos e incertezas globais e disse que “a questão que devemos colocar é se a Europa e Portugal estão devidamente preparados para sustentar o crescimento, evitar outro choque sistémico e reagir ao que quer que venha”.
Comentários