OE2020: Governo só apresenta cenário macroeconómico mais tarde e no parlamento

O PEV afirmou que na reunião de hoje com o Governo “não houve negociações” sobre Orçamento, apenas a apresentação das prioridades deste partido, e o cenário macroeconómico será apresentado pelo executivo mais tarde no parlamento.

Estas posições foram transmitidas aos jornalistas pelo deputado de “Os Verdes” José Luís Ferreira, depois de o PEV ter sido recebido em São Bento pelo primeiro-ministro, António Costa, numa reunião sobre o Orçamento do Estado para 2020 em que também estiveram presentes o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro.

Esta reunião com o PEV na residência oficial do primeiro-ministro antecedeu a do Bloco de Esquerda e seguiu-se à do PAN (Pessoas-Animais-Natureza), cuja delegação não prestou declarações aos jornalistas. A mesma atitude do PAN será também seguida pelo Bloco de Esquerda.

“Vai haver uma reunião formal para o Governo apresentar o cenário macroeconómico que decorrerá no espaço certo que é a Assembleia da República. Hoje trocámos algumas impressões mas nada em concreto”, declarou José Luís Ferreira.

De acordo com o deputado do PEV, na reunião de hoje, “não foram feitas exigências” ao Governo, mas, antes, “a indicação de temas que devem ter reflexo” no Orçamento do próximo ano, casos do combate às alterações climáticas, diminuição das assimetrias regionais, justiça fiscal, serviços públicos e aposta na ferrovia.

“Se vai ou não haver entendimento com o Governo, isso depende do Orçamento. O PEV não pode pronunciar-se sobre um Orçamento sem o ver e muito menos sem ele existir. O Governo ficou de analisar de que forma poderá acolher as matérias que o PEV gostaria de ver refletidas no Orçamento”, esclareceu José Luís Ferreira.

Perante os jornalistas, José Luís Ferreira procurou também transmitir a mensagem de que não houve negociações sobre o Orçamento do Estado para 2021.

“Nós não estamos a negociar. O que viemos fazer aqui [São Bento] foi assumir o compromisso que decorreu da última reunião que tivemos com a direção do PS e manifestar ao Governo aquilo que o PEV gostaria de ver contemplado no Orçamento do Estado para 2020. Não sei se posso chamar a isso negociações”, justificou.

Interrogado se o PEV admite votar a favor do Orçamento do próximo ano, o deputado ecologista respondeu: “Admito um voto a favor, como admito um voto contra, como admito a abstenção, porque sem conhecer o documento o PEV não pode pronunciar-se”.

“Não diria que a procissão ainda vai no adro. Diria que ainda não há procissão. Vamos esperar que este Orçamento seja capaz de dar resposta às necessidades dos portugueses, tanto do ponto de vista ambiental, como do ponto de vista social”, acrescentou José Luís Ferreira.

Ler mais
Relacionadas

OE2020: “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira que é “manifestamente exagerado dizer que há um processo de negociação” com o Governo com vista ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), referindo-se ao encontro marcado para quarta-feira.

OE2020: Partidos levam investimento público e alterações climáticas à reunião com o Governo

O Governo arranca hoje reuniões com BE, PCP, PAN, PEV e Livre, para falar sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2020, encontros onde o investimento público e o combate às alterações climáticas estarão em cima da mesa.
Recomendadas

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre impacto da poluição do Aeroporto Humberto Delgado

Os bloquistas querem saber que medidas estão previstas para mitigar os efeitos da poluição atmosférica, numa altura em que se prevê o tráfego aéreo aumente para os 72 aviões por hora, mais do que um por minuto.

PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.
Comentários