OE2021: Finanças descativaram 260,2 milhões de euros até setembro

Segundo a Síntese da Execução Orçamental hoje dada a conhecer pela DGO, dos 1.014,7 milhões de euros cativos e reserva iniciais, mantinham-se sob a alçada do Ministério das Finanças, por libertar, no final de julho, 754,5 milhões de euros.

O Ministério das Finanças descativou, até setembro, 260,2 milhões de euros dos 1.014,7 milhões de cativos e reserva orçamental inicial previstos, de acordo com dados da Direção-Geral do Orçamento (DGO) hoje divulgados.

Segundo a Síntese da Execução Orçamental hoje dada a conhecer pela DGO, dos 1.014,7 milhões de euros cativos e reserva iniciais, mantinham-se sob a alçada do Ministério das Finanças, por libertar, no final de julho, 754,5 milhões de euros.

Assim, foram libertados 260,2 milhões de euros, dos quais 87,3 milhões dizem respeito à reserva orçamental (que tem uma dotação inicial de 323,7 milhões de euros, estando 236,4 por libertar).

Quanto aos cativos, a sua dotação inicial foi de 691,0 milhões de euros, tendo sido libertados 173 milhões de euros, já que o ministério liderado por João Leão mantinha por libertar, no final de julho, 518,0 milhões de euros.

Até julho, o Ministério das Finanças tinha descativado 228,4 milhões de euros do total, ou seja, entre julho e setembro foram libertados mais 31,8 milhões de euros.

A reserva orçamental constitui uma cativação de um montante específico nos programas orçamentais, e estão excluídas da aplicação da reserva as entidades pertencentes ao Serviço Nacional de Saúde e ao Ensino Superior.

Já uma cativação é uma retenção de parte dos montantes orçamentados para os serviços e organismos do Estado, cuja libertação dessas verbas (descativação) é normalmente sujeita à autorização ministerial.

O défice das contas públicas nacionais melhorou 650 milhões de euros (ME) até outubro face ao mesmo mês de 2020, totalizando 6.673 milhões de euros, de acordo com o Ministério das Finanças.

“O défice das Administrações Públicas atingiu 6.673 ME até outubro em contabilidade pública, refletindo uma melhoria homóloga de 650 ME explicada pelo crescimento da receita (7,3%) ter sido superior ao da despesa (5,7%)”, pode ler-se no comunicado do gabinete do ministro João Leão, que antecipou a Síntese da Execução Orçamental divulgada hoje.

O comunicado, referente às contas na ótica de caixa, adianta ainda que “a despesa primária aumentou 7,1% em resultado das medidas extraordinárias de apoio à economia e a forte dinâmica de crescimento da despesa do Serviço Nacional de Saúde”, que registou “um aumento muito elevado de 740 ME”.

Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários