OE2021: PCP não cede a chantagens e defende que défice não é prioritário

Os comunistas garantem que “o Governo tem todos os meios, todas as propostas que o PCP já lhe apresentou” e garantiu que “é uma questão de fazer a opção de dar prioridade a essa resposta de que o país precisa e não dar prioridade a critérios como o do défice”.

O deputado do Partido Comunista Português (PCP) João Oliveira apontou as questões que afasta o partido da viabilização do Orçamento do Estado (OE) para 2021 esta terça-feira, 20 de outubro.

“É a resposta que o Orçamento der à situação económica e social que determinará o nosso posicionamento e não qualquer tipo de discurso de chantagem, de ameaça, de crise politica, de acusações de votar ao lado da direita porque essas ameaças e essas chantagens não nos sensibilizam”, explicou João Oliveira em declarações à RTP antes de se reunir com o primeiro-ministro para debater o OE 2021.

O comunista sublinhou ainda que “o Governo tem todos os meios, todas as propostas que o PCP já lhe apresentou, é uma questão de fazer a opção de dar prioridade a essa resposta de que o país precisa e não dar prioridade a critérios como o do défice que aprece ser aquilo que verdadeiramente pesa nas opções do Governo”.

A 13 de outubro, numa primeira avaliação da versão preliminar do Orçamento, João Oliveira, considerou que a proposta de Orçamento do Estado para 2021 não “responde aos problemas estruturais do país”.

“A proposta do Orçamento de Estado para 2021 apresentada pelo Governo não responde aos problemas estruturais que o país há muito se confronta, nem dá resposta às situações novas decorrentes dos impactos económicos e sociais da pandemia com destaque para o serviço nacional de saúde, para responder à grave situação económica e social que o país enfrenta”, garantiu João Oliveira.

Para o PCP “o próximo Orçamento do Estado precisava de estar liberto de opções e condicionamentos que tem marcado a política de direita. O documento apresentado, que precisa de ser lido com maior detalhe, continua marcado por opções que designadamente em matéria de défice das contas públicas, limitam e impedem a resposta que se exigia e que seria possível dar”.

 

Ler mais
Relacionadas

PAN pede que Governo não “acrescente uma crise política à crise sanitária”

“É bom que o primeiro ministro tenha a consciência que nós não podemos acrescentar esta crise sanitária e crise socio económica uma crise politica e portanto que nos deixemos de fait divers porque efetivamente o que temos assistido seja com ameaças de crise política seja depois com medidas que em nada contribuem para combater a pandemia”, referiu Inês Sousa Real

Líder parlamentar do BE não aceita participar num Orçamento que “falha já a questões fundamentais”

O líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, considera que as alterações propostas pelo BE à proposta do Governo são de “bom senso” e espera que a nova ronda de negociações não seja uma “encenação” do Governo “para o desfecho que deseja”.

Gerir o país em duodécimos? “Que irresponsabilidade”, diz Catarina Martins

No dia em que reúne com o Governo, a coordenadora do Bloco de Esquerda diz esperar que hoje “haja avanços” nas negociações sobre o Orçamento. No entanto, recusa a ideia de uma eventual gestão do país em duodécimos se o documento fosse inviabilizado no Parlamento. “Se não existir um Orçamento, o Governo pode apresentar outro”, afirmou.
Recomendadas

Marisa Matias fecha campanha com apelos a “vermelho em Belém”: “a solidariedade vai vencer o ódio”

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda recordou a defesa que tem feito dos serviços públicos, especialmente do SNS, durante uma crise que é “o jogo das nossas vidas”, como defende. O ódio e o medo que alguns candidatos tentaram usar durante a campanha também mereceu fortes reparos.

Covid-19: Variante da África do Sul já foi identificada em Portugal

O caso identificado em Portugal, através da sequenciação genómica, foi já reportado pelo INSA às autoridades competentes de saúde.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.
Comentários