Oficial: Governo revê em baixa crescimento da economia para 4% este ano, mas espera melhoria em 2022

O Executivo espera que no conjunto deste ano e de 2022 a economia cresça cerca de 9%. Ministro das Finanças acredita numa forte recuperação no segundo semestre deste ano e prevê um crescimento das exportações de 7,9% e de 8% do investimento no próximo ano.

A projeção de crescimento da economia portuguesa de 5,4% foi revista em baixa pelo Governo no Programa de Estabilidade 2021-2025, aprovado esta quinta-feira. O Executivo vê agora o Produto Interno Bruto (PIB) a crescer 4% este ano, mas está mais otimista para o próximo ano, esperando uma expansão de 4,9%, acima dos 3,4%, previstos anteriormente.

“É um Programa de Estabilidade que ao nível macroeconómico prevê um forte crescimento do PIB neste e no próximo ano. No conjunto dos dois anos prevemos que a economia cresça cerca de 9%”, anunciou o ministro das Finanças, João Leão, em declarações aos jornalistas depois da aprovação em Conselho de Ministros do documento que seguirá esta quinta-feira à tarde para o Parlamento.

O governante espera que a economia “já no próximo ultrapasse o valor atingido em 2019, no período pré-pandemia”. João Leão espera que este crescimento se baseie no “forte impulso do crescimento via investimento e exportações”.

O confinamento decretado no início deste ano penaliza o crescimento da economia este ano, mas João Leão também destaca que o processo de vacinação leve a uma “forte recuperação no segundo semestre” e que permita “ainda assim um crescimento robusto de 4% este ano”.

A melhoria das projeções face ao ano passado resultam, segundo o Governo, das “perspetivas económicas positivas” que se desenham para Portugal e para a Europa, do processo de vacinação, dos efeitos do Programa de Recuperação e Resiliência e das políticas de recuperação económica.

Segundo as estimativas do Programa de Estabilidade, o Governo espera um crescimento das exportações de 7,9% no próximo ano e um crescimento de 8% do investimento. Calcula ainda que o Programa de Recuperação e Resiliência se traduza por um impulso macroeconómico de 22 mil milhões de euros ao longo dos cinco anos.

As projeções do Governo aproximam-se assim das da Comissão Europeia, atualmente a instituição mais otimista sobre o desempenho da economia nacional para este ano, projetando um crescimento de 4,1%. No extremo oposto está a OCDE que vê o PIB português a expandir 1,7%, enquanto o Banco de Portugal (BdP) e o FMI alinham na projeção de 3,9% e o CFP vê a economia a crescer 3%. Já para 2022, o BdP prevê um crescimento de 5,2%, o CFP de 4,9%, o FMI de 4,8%, a Comissão Europeia de 4,3% e a OCDE de 1,9%.

O ministro das Finanças já tinha sinalizado que a revisão em baixa das projeções para o PIB deveria  ser em “mais de um ponto percentual”, tendo o governante salientando que a “revisão em baixa deste ano vai conduzir, como tem prevista uma recuperação muito forte da economia no segundo semestre, vai implicar que, quer a partir do segundo semestre, quer a partir de 2022, a economia cresça mais do que o esperado”.

(Atualizado às 14h06)

Relacionadas
João Leão Discussão Oe 2021

Leão aumenta estimativa do défice para 4,5% este ano e abandona meta de abaixo dos 3% para 2022

No Programa de Estabilidade, o Governo revê em alta as projeções do défice para este ano e para 2022. Para o próximo ano espera agora um défice de de 3,2% do PIB.

Governo prevê subida da taxa de desemprego para os 7,3% este ano (com áudio)

O ministro das Finanças apresentou hoje o Programa de Estabilidade 2021-2025, aprovado pelo Governo esta quinta-feira para ser entregue no Parlamento e em Bruxelas.

Governo vê peso da dívida pública a regressar aos níveis pré-pandemia em 2024

O ministro das Finanças prevê que o peso da dívida pública atinge níveis pré-pandemia em 2024, abaixo de 120%. Para este ano, estima que o rácio da dívida face ao PIB se fixe em 128%.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários