Oi procura interessados para vender negócio de televisão por assinatura

Para encontrar potenciais interessados, a Oi contratou o banco investimento brasileiro BTG Pactual como assessor financeiro.

A empresa de telecomunicações brasileira Oi iniciou um processo de “prospeção de investidores interessados na aquisição de seu negócio de TV por assinatura”, segundo o comunicado veiculado pela Pharol esta terça-feira, 1 de setembro, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A Pharol (antiga PT) detém 5,51% da Oi através da Bratel.

A Oi pretende vender o negócio de TV por assinatura, respeitando a implementação do seu plano estratégico de transformação e a “proposta de aditamento ao Plano de Recuperação Judicial protocolada pela Oi perante a 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro a 13 de agosto de 2020, que prevê a alienação de uma unidade de negócio que conterá a sua operação de TV por assinatura em processo competitivo”.

O negócio que a Oi procura vender contempla “toda a infraestrutura para a prestação de serviço pela tecnologia DTH, mediante a transferência dos ativos e passivos (incluídos os compromissos de pagamento de contratos adjacentes aos serviços de DTH e IPTV, tais como capacidade satelital)”, refere o comunicado.

Para encontrar potenciais interessados, a Oi contratou o banco de investimento brasileiro BTG Pactual como assessor financeiro.

A venda da operação de TV por subscrição da Oi assume especial importância, uma vez que a sua alienação “garantirá ao grupo Oi a execução da sua estratégia de desinvestimento no negócio de TV por assinatura com base na tecnologia DTH, ao mesmo tempo em que possibilitará a manutenção de uma participação importante na geração de receitas de conteúdo a partir da prestação de serviços de TV por assinatura via protocolo IPTV, com base em plataformas e equipamentos com tecnologia IPTV que permanecerão de propriedade da companhia”.

No mesmo comunicado, a empresa de telecomunicações brasileira reiterou estar comprometida com a execução do seu plano estratégico, tendo em vista a transformação da Oi na “maior provedora de infraestrutura de telecomunicações do país, a partir da massificação da fibra ótica e internet de alta velocidade, do provimento de soluções para empresas e de infraestrutura para viabilizar a evolução para o 5G no país, voltada para negócios de maior valor agregado e com tendência de crescimento e visão de futuro”.

Ler mais
Recomendadas

Fórum para a Competitividade antecipa recessão técnica no primeiro trimestre devido ao confinamento

A instituição presidida por Pedro Ferraz da Costa admite que existe o “risco sério” de o verão não haver uma “uma clara recuperação” do sector do turismo, o que terá repercussões negativas nas restantes atividades económicas e na taxa de desemprego.

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.
Comentários