Oito candidatos para liderar fundo soberano da Noruega

O fundo soberano da Noruega gere ativos no valor de 1,1 triliões de dólares.

São oito os candidatos à liderança do fundo soberano da Noruega, que possui um portefólio de ativos no valor de 1,1 triliões de dólares, anunciou o banco central do país, citado pela Reuters.

Entre os candidatos, todos homens, está o atual CEO do fundo soberano da Noruega.

A Reuters refere ainda que entre os desafios do fundo está a resposta às alterações climáticas e ainda a possibilidade de investimentos no valor de 100 mil milhões de dólares nos Estados Unidos.

De referir que este fundo da Noruega, em agosto, ponderava a redução dos seus investimentos na Europa e aumentá-los na América do Norte, confirme tinha avançado o New York Times.

Este fundo chegou a ter participação na Galp.

Relacionadas

Maior fundo do mundo pondera reduzir investimentos na Europa

Fundo petrolífero tem atualmente 917 mil milhões de euros e é controlado pelo banco central da Noruega. Em 2012, a Noruega reduziu as ações europeias no auge da crise da dívida do governo na zona euro.

Fundo norueguês com mais de 1% da Galp vai desinvestir no petróleo e gás

“O objetivo é reduzir a vulnerabilidade da nossa riqueza comum a um declínio permanente do preço do petróleo”, refere o ministro das Finanças, Siv Jensen. O Norges Bank poderá assim sair do capital da Galp, na qual tem uma posição de 1,33%.
Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários