Oito escolas auditadas por diferença de notas conseguiram diminuir inflação

No ano passado, a IGEC interveio num total de 11 escolas, sendo estas as que apresentavam um maior desalinhamento ao nível das notas em 2018. Com 10 escolas privadas e uma pública, oito conseguiram reduzir a inflação.

Três anos após o início da auditoria a escolas pela Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC), a inflação entre as notas internas e as notas dos exames nacionais já começam a ser corrigidas, avança o jornal ‘Público’ esta sexta-feira, 26 de junho. Segundo a publicação, 73% das escolas auditadas em 2019 reduziram a inflação nas notas do ensino secundário.

No ano passado, a IGEC interveio num total de 11 escolas, sendo estas as que apresentavam um maior desalinhamento ao nível das notas em 2018. Com 10 escolas privadas e uma pública, oito conseguiram reduzir a inflação.

De acordo com o relatório, citado pelo ‘Público’, as maiores correções aconteceram no Colégio do Atlântico, no Seical, cuja alteração baixo de 1,72 para 0,43, e no colégio Cidade Roda, em Pombal, que baixou de 1,75 para 0,35. Ainda assim, a escola que registou uma menor diferença foi a Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura, que baixou de 1,54 para 1,46 valores.

O relatório indica que a discrepância das notas tem vindo a apresentar descidas. Em 2018 a classificação interna das escolas era de 1,4 valores, e no ano passado desceu para 1,07. Nestas 11 escolas auditadas pela IGEC, a diminuição é mais acentuada mas continua superior à média nacional, tendo diminuído para 1,33 a partir de 1,82 valores.

Recomendadas

Esta é a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um ‘jackpot’ de 143 milhões de euros.

Governo admite que Programa de Arrendamento Acessível ficou aquém das expectativas

“Não, eu queria mais. Nós neste momento ainda não chegámos às três centenas de contratos já firmados. Não nos chega, nós queremos muito mais”, afirmou a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho.

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.
Comentários