OMS alerta que vacina não vai erradicar a Covid-19 e que vírus vai-se tornar endémico

O órgão de saúde pública internacional alertou ainda que a próxima pandemia pode ser mais severa. Mark Ryan, líder do programa de emergências da OMS frisa que a crise da Covid-19 servirá para aprendermos com os erros e prepararmo-nos para eventuais pandemias semelhantes.

Embora a pandemia da Covid-19 tenha tinha um impacto significativo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que esta “não será necessariamente a maior” e que o mundo vai ter que aprender a viver com a Covid-19, mesmo com a existência de uma vacina.

“Esta é uma chamada de atenção. Estamos a aprender agora como fazer melhor as coisas — , ciência, logística, treino e liderança governamental, como nos comunicar melhor. Mas o planeta é frágil”, disse, esta terça-feira, Mark Ryan, líder do programa de emergências da OMS.

“Resta saber o quão bem as vacinas são tomadas, quão perto chegamos de um nível de cobertura que pode dar-nos uma oportunidade de eliminarmos o vírus”, disse. “A existência de uma vacina, mesmo com alta eficácia, não é garantia de eliminação ou erradicação de uma doença infecciosa. Essa é uma barreira muito alta que devemos superar ”, frisou durante uma conferência de imprensa, esta manhã.

“Se há uma coisa que precisamos de retirar desta pandemia, com todas as tragédias e perdas, é que precisamos de agir juntos. Precisamos de honrar aqueles que perdemos, melhorando o que fazemos todos os dias”, apelou o especialista.

Já o professor David Heymann, líder do grupo para a estratégia e aconselhamento técnico para o risco de infeção da OMS, alertou que o vírus irá, eventualmente, tornar-se endémico, ou seja, tornar-se-á numa doença frequente do nosso dia a dia.

“Parece-nos que o destino da Sars-Cov-2 é tornar-se endémico, tal como outros quatro coronavírus se tornaram”, explicou, acrescentando que o vírus irá continuar a sofrer mutações à medida que infeta e se reproduz entre as células.

No entanto, o nível de perigo será inferior. “Temos ferramentas para salvar vidas e essas ferramentas, em combinação com uma boa saúde pública, permitirão aprender a viver com a Covid-19”, explicou o epidemiologista.

Ler mais
Recomendadas

“Rastreio alargado que existe no futebol pode ser adaptado noutros contextos”, defendem médicos de saúde pública

Protocolo existente no futebol profissional tem permitido que a Liga continue a desenrolar-se num país onde o cenário pandémico é cada mais vez mais preocupante. Em entrevista no programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, Gustavo Tato Borges defende rastreios alargados como acontece com os futebolistas.

Novas medidas de confinamento. Conheça as novas restrições definidas pelo Governo

Entre as medidas anunciadas estão a reposição da proibição de circulação ao fim-de-semana, a redefinição dos horários de encerramento de todos os estabelecimentos, assim como o encerramento de campos de ténis e paddle.

Primeira toma das vacinas nos lares vai ficar concluída até ao final da próxima semana, garante António Costa

Excluídos desta primeira fase da vacinação nos lares, estão as residências onde existem surtos de Covid-19. Lares ilegais estão incluídos na aceleração do processo de vacinação aos idosos e utentes destes estabelecimentos.
Comentários