OMS desaconselha reabertura de escolas em países com elevado contágio

A reabertura de escolas em países com elevado contágio pelo novo coronavírus “vai piorar a situação” associada à pandemia da Covid-19, avisou esta quarta-feira o responsável pelo programa de Emergências Sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan.

Depois de o ano letivo 2019/20 ter sido parcialmente interrompido pela pandemia, vários países continuam com dúvidas sobre a hipótese de reabrirem as escolas, e Ryan aconselhou que essa medida só deve ser adotada em locais onde os níveis de contágio sejam baixos e haja medidas de resposta a eventuais casos de infeção que surjam nas salas de aula.

“Todos queremos que as crianças voltem às aulas. Elas e os professores devem fazer isso num ambiente seguro”, frisou o epidemiologista, numa sessão de perguntas e respostas transmitida pela OMS na Internet.

Questionado sobre a hipótese de pais de crianças com problemas de saúde anteriores levarem-nas à escola em caso de retoma das aulas, Michael Ryan salientou que isso depende dos planos de contingência de cada escola, aconselhando a consulta dos responsáveis escolares.

Já os professores com doenças crónicas ou outros problemas de saúde devem consultar os seus médicos sobre as precauções que devem ou não tomar ao irem trabalhar, acrescentou a responsável técnica da OMS pelo combate à covid-19, Maria Kerkhove.

A OMS pediu ainda aos jovens para assumirem as “suas responsabilidades” na contenção da transmissão do novo coronavírus.

Michael Ryan lembrou que “os idosos foram muito cuidadosos em se protegerem” quando a covid-19 foi inicialmente vista como uma doença que afetava os mais velhos ou pessoas com “certos problemas de saúde” e pediu esse cuidado aos mais jovens.

“Os jovens têm uma grande oportunidade de reduzir a transmissão através de seus comportamentos. Eles devem ter em conta a responsabilidade que têm nesse sentido”, realçou o epidemiologista.

No final de julho, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, já tinha alertado que os jovens não eram “invencíveis” e que, em alguns países, eram numerosos demais para “baixar a guarda”.

O responsável etíope pediu então aos jovens que “tomassem as mesmas precauções que as outras pessoas para se protegerem do vírus e para proteger os outros”.

 

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 701 mil mortos e infetou mais de 18,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.740 pessoas das 51.848 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Ler mais
Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Covid-19: Açores com sete novos infetados nas últimas 24 horas

A autoridade de saúde regional “decorrentes das 1.020 análises realizadas nos dois laboratórios de referência da região nas últimas 24 horas, foram diagnosticados sete casos positivos de covid-19”, dos quais “três em São Miguel, um na Terceira e três no Faial”.
Comentários