OMTEL altera marca e imagem corporativa para Cellnex

Com o ‘rebranding’ da OMTEL, a Cellenex procura dar mais um passo na consolidação da sua presença no mercado português. Depois de ter adquirido a OMTEL em janeiro, a Cellnex chegou a acordo com a NOS para adquirir 100% da NOS Towering, empresa que gere duas mil torres de telecomunicações.

Depois de ter adquirido a OMTEL por 800 milhões de euros, em janeiro, a Cellnex promoveu uma alteração da imagem e marca da operadora de infraestruturas de telecomunicações portuguesa, que a partir desta quarta-feira opera sobre o desígnio corporativo e nome Cellnex.

Este é um movimento de mercado que o grupo espanhol Cellnex tem promovido a nível internacional em todos os mercados que opera. Assim como já o fez em Espanha, Itália, França, Suíça, Holanda, Reino Unido e Irlanda, a Cellnex depois de adquirir uma empresa promove a evolução da marca adquirida para Cellnex.

Em comunicado, o managing director da Cellnex Portugal, Nuno Carvalhosa, garante que embora a imagem da empresa tenha sido alterada, a estratégia permanece para a operação portuguesa permanece igual. “Continuaremos empenhados em contribuir para o desenvolvimento do setor das telecomunicações em Portugal, apoiando os operadores no desenvolvimento dos seus serviços num momento particularmente importante como o que antecede o lançamento do 5G e a sua disponibilização no país – desde as zonas mais urbanas e densamente povoadas às zonas mais remotas e rurais do interior”, afirma.

Com o rebranding da OMTEL, a Cellenex procura dar mais um passo na consolidação da sua presença no mercado português. Depois de ter adquirido a OMTEL no início do ano, a empresa espanhola chegou a acordo com a NOS para adquirir 100% da NOS Towering, a empresa que gere cerca de dois mil torres de telecomunicações, por 550 milhões de euros – esta última operação está ainda sujeita a aprovação da Autoridade da Concorrência.

O mesmo comunicado refere, ainda, que a estratégia para o mercado português passa por alargar a oferta de serviços para as empresas-clientes, desde produtos e serviços de “cobertura indoor, coberturas dedicadas, infraestruturas de fibra ótica, soluções de data centre e edge computing”, até infrastruturas para redes de emergência ou redes privadas.

Relacionadas

Cellnex entra em Portugal ao comprar torres de telecomunicações da OMTEL por 800 milhões de euros

A OMTEL controla três mil infraestruturas de telecomunicações em Portugal, cerca de 25% das torres de telecomunicações do mercado nacional. A empresa espanhola paga 200 milhões à Altice Europe pela participação de 25% da Altice Portugal na empresa. Portugal passa a ser o oitavo país da Europa onde a Cellnex tem atividade.

NOS vende torres de telecomunicações à Cellnex por 550 milhões de euros

NOS vende a subsidiária NOS Towering S.A, empresa que gere as torres de telecomunicações da operadora liderada por Miguel Almeida. O negócio garante à telecom um encaixe imediato de 375 milhões de euros, valor que pode chegar até aos 550 milhões de euros em seis anos. Esta é a segunda aquisição que a Cellnex faz em Portugal em quatro meses. Empresa espanhola poderá investir até 1.350 milhões de euros em Portugal.

Autoridade da Concorrência notificada pela espanhola Cellnex da compra NOS Towering

O grupo espanhol de infraestruturas de telecomunicações Cellnex notificou a Autoridade da Concorrência (AdC) da compra, à portuguesa NOS, do controlo exclusivo sobre a NOS Towering, revela um aviso da AdC publicado na sua página de internet.

Cellnex regista prejuízo de 30 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020

A empresa que entrou no início do ano no mercado português justificou o prejuízo com o “efeito substancial de amortizações mais elevadas e custos financeiros”, fruto do “intenso processo de aquisição e à consequente expansão da operação”. Acresceu o impacto da pandemia da Covid-19.
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários