Onde é gasto o nosso dinheiro?

O orçamento da Região Autónoma da Madeira padece de 607 milhões para o serviço da dívida (406 milhões de amortização e 201 milhões de juros) e de 132,8 milhões para as parcerias público-privadas (PPP’s). Os cidadãos estão a pagar aproximadamente 363,835 euros ao dia para fazer face às PPP’s, que no total custarão mais de 2,5 mil milhões de euros.

Os madeirenses e os porto-santenses aspiram, na sua essência, a melhor qualidade de vida, mais emprego, mais apoio à natalidade, mais e melhor saúde, menos impostos, um setor empresarial privado mais desafogado e um governo que gaste menos dinheiro em sociedades de desenvolvimento falidas, em nomeações políticas e em conselhos de administração, como por exemplo, o do Fundo de Estabilização Tributária, o único a nível nacional remunerado.

O orçamento da Região Autónoma da Madeira padece de 607 milhões para o serviço da dívida (406 milhões de amortização e 201 milhões de juros) e de 132,8 milhões para as parcerias público-privadas (PPP’s). Os cidadãos estão a pagar aproximadamente 363,835 euros ao dia para fazer face às PPP’s, que no total custarão mais de 2,5 mil milhões de euros.

Torna-se fundamental reduzir e emagrecer a despesa da Região. Menos administrações no setor empresarial (e daí a necessária fusão), menos nomeados, menos gastos com advogados, menos pareceres e estudos, menos gastos com custos de contexto.

A baixa dos impostos diretos contribui, a muito curto prazo, para o aumento das receitas proveniente dos impostos indiretos (IVA, ISP e outros), fomenta a economia, para o aumento da produção e incentiva a criação de postos de trabalho. Estimam-se que pelo menos 38% da redução de impostos diretos retorna em novas cobranças por via de impostos indiretos resultantes do aumento do consumo.

Baixar os impostos na RAM permitirá aumentar o poder de compra e acompanhar a poupança das famílias.

Baixar os impostos torna as empresas mais competitivas e com menos carga fiscal. Haverá, consequentemente, mais investimento e mais emprego.

Ao invés, contrair e conceder empréstimos às sociedades de desenvolvimento detidas pela Região, que é depois convertido em capital social (irremediavelmente perdido), é penalizar os contribuintes e deitar dinheiro fora.

Recomendadas

Madeira na linha da frente do crescimento da Anturio

Após ter duplicado a faturação na Região até setembro, a empresa de informática espera um disparo de até 50% em 2019. Novos produtos, contratações e uma fusão estão a ser preparados para acompanhar o crescimento, diz o CEO da empresa ao EM.

Alojamento e restauração lideram acidentes de trabalho na Madeira

O setor representou 17,9 dos acidentes de trabalho na Madeira.

Funchal: O que precisa de saber sobre as bolsas de estudo do ensino superior

Já foram efetuadas 606 candidaturas às bolsas de estudo universitárias atribuídas pela Câmara Municipal do Funchal. Este apoio está disponível para quem tem residência no município e estuda na Madeira, Continente, Açores, ou no Estrangeiro. Está orçamentada uma verba de 1,4 milhões de euros.
Comentários