Onde investir em 2020? Bankinter estima valoziração de 16% do S&P 500 e EuroStoxx 50

Os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas e a procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto, salientou o banco espanhol, que antecipa uma valorização de 16% do S&P 500 e do EuroStoxx 50 em 2020.

Andrew Harrer/Bloomberg

A política monetária expansionista, com taxas de juro negativas ou muito baixas, continua vai continuar em 2020. A situação retira incentivos para se investir em ativos do mercado monetário, por exemplo, em obrigações soberanas da Alemanha, razão pela qual o Bankinter tem os olhos postos nos mercados bolsistas norte-americano e europeu e, especificamente, no S&P 500 e no EuroStoxx 50.

“Os níveis de liquidez continuarão a ser muito elevados”, explicou o Bankinter numa nota de research intitulada “Estratégia de Investimento no primeiro trimestr 2020”, publicada esta segunda-feira, 30 de dezembro. “Por outro lado, os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas. A procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto”, salientou o banco espanhol, que aumentou em cinco pontos percentuais a exposição dos portfólios de investimento “defensivo” e “conservador” às bolsas, para 15% e 20%, respetivamente.

“O objetivo é tentar evitar as rentabilidades negativas que oferecem os ativos do mercado monetário e do mercado obrigacionista a curto-prazo”, explicou o Bankinter.

Em relação ao S&P 500, o Bankinter mantém a recomendação de “comprar”, sendo que o Bankinter estima que o price target será 3.672 pontos, o que implica um potencial de valorização de 16% e um price-to-earnings ratio de 20,9x. Além disso, o banco espanhol antecipa que a rentabilidade por dividendo seja de 1,9%.

Na Europa, o Bankinter elevou a recomendação para “comprar” em relação ao EuroStoxx 50, com um price target de 4.338 pontos em dezembro de 2020, o que supõe uma valorização de 16%. O price-to-earnings ratio antecipado pelo banco espanhol é de 17,5x.

Por setores, o Bankinter considera que os mais beneficiados com a redução da intensidade dos riscos do Brexit e da guerra comercial são o tecnológico, o elétrico e infraestruturas. O “setor tecnológico apresenta uma forte capacidade de crescimento num contexto de globalização e de rápidas cisões tecnológicas”, enquanto o “setor elétrico e de infraestruturas deverão ser beneficiados tanto pelo contexto de juros baixos, como pelos possíveis planos de investimento público”, explicou o Bankinter. “O Fundo Monetário Internacional e a Organização para a Cooperação e Desenvolviomento Económico (OCDE) recomendam investir em infraetruturas, educação e inovação para reduzir desiquilíbrios e a alteração climática”, adiantou o banco espanhol.

 

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha mista com aumento do desemprego

A avalanche de dados macroeconómicos justifica a fraca performance da bolsa. Os dados do emprego semanal dão uma subida dos pedidos de subsídio de desemprego no país pela segunda semana consecutiva, até os 778 mil, muito pior do que o esperado pelo consenso do mercado. Isto pode deixar marcas persistentes no mercado laboral dos Estados Unidos.

CMVM tomou 22 decisões de contraordenação algumas das quais originam coimas que somam 700 mil euros

Na base das decisões da CMVM estão 11 processos relacionados com infrações por violação de deveres dos auditores; cinco processos por violação dos deveres dos intermediários financeiros; três processos por violação de deveres das entidades responsáveis pela gestão de Organismos de Investimento Colectivo; entre outros. A maioria das coimas aplicadas está suspensa.

Bolsa de Lisboa fecha com subida superior a 1%

CTT, EDP Renováveis e BCP subiram mais de 2%. As ações da tecnológica Novabase, que divulgou esta tarde ao mercado o Plano para a Igualdade de Género e Diversidade, caíram 0,61% para 3,27 euros.
Comentários