Onde investir em 2020? Bankinter estima valoziração de 16% do S&P 500 e EuroStoxx 50

Os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas e a procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto, salientou o banco espanhol, que antecipa uma valorização de 16% do S&P 500 e do EuroStoxx 50 em 2020.

Andrew Harrer/Bloomberg

A política monetária expansionista, com taxas de juro negativas ou muito baixas, continua vai continuar em 2020. A situação retira incentivos para se investir em ativos do mercado monetário, por exemplo, em obrigações soberanas da Alemanha, razão pela qual o Bankinter tem os olhos postos nos mercados bolsistas norte-americano e europeu e, especificamente, no S&P 500 e no EuroStoxx 50.

“Os níveis de liquidez continuarão a ser muito elevados”, explicou o Bankinter numa nota de research intitulada “Estratégia de Investimento no primeiro trimestr 2020”, publicada esta segunda-feira, 30 de dezembro. “Por outro lado, os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas. A procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto”, salientou o banco espanhol, que aumentou em cinco pontos percentuais a exposição dos portfólios de investimento “defensivo” e “conservador” às bolsas, para 15% e 20%, respetivamente.

“O objetivo é tentar evitar as rentabilidades negativas que oferecem os ativos do mercado monetário e do mercado obrigacionista a curto-prazo”, explicou o Bankinter.

Em relação ao S&P 500, o Bankinter mantém a recomendação de “comprar”, sendo que o Bankinter estima que o price target será 3.672 pontos, o que implica um potencial de valorização de 16% e um price-to-earnings ratio de 20,9x. Além disso, o banco espanhol antecipa que a rentabilidade por dividendo seja de 1,9%.

Na Europa, o Bankinter elevou a recomendação para “comprar” em relação ao EuroStoxx 50, com um price target de 4.338 pontos em dezembro de 2020, o que supõe uma valorização de 16%. O price-to-earnings ratio antecipado pelo banco espanhol é de 17,5x.

Por setores, o Bankinter considera que os mais beneficiados com a redução da intensidade dos riscos do Brexit e da guerra comercial são o tecnológico, o elétrico e infraestruturas. O “setor tecnológico apresenta uma forte capacidade de crescimento num contexto de globalização e de rápidas cisões tecnológicas”, enquanto o “setor elétrico e de infraestruturas deverão ser beneficiados tanto pelo contexto de juros baixos, como pelos possíveis planos de investimento público”, explicou o Bankinter. “O Fundo Monetário Internacional e a Organização para a Cooperação e Desenvolviomento Económico (OCDE) recomendam investir em infraetruturas, educação e inovação para reduzir desiquilíbrios e a alteração climática”, adiantou o banco espanhol.

 

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários