Exclusivo. Operação “Esplanada Aberta”: fisco lança raide nacional a milhares de restaurantes, bares e cafés

Fisco está nesta terça-feira a fazer um “varrimento” em centros históricos, baixas das cidades e zonas balneares com elevada concentração de restaurantes, bares e cafés. No terreno estão centenas de inspectores tributários a visitar milhares de estabelecimentos de restauração.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) está a realizar nesta terça-feira, 19 de junho, uma mega acção nacional de fiscalização de restaurantes, bares e cafés, para controlo das obrigações de facturação. Na mira do fisco estão dezenas de milhares de estabelecimentos de restauração, estando centenas de inspectores no terreno a fiscalizar  se os programas informáticos usados nos estabelecimentos permitem fugir aos impostos e estão a lesar o Estado. Só em Lisboa e Porto, estão seleccionados mais de 20 mil alvos de visita.

Nesta acção, denominada “Esplanada Aberta”, a administração fiscal deu ordem para “varrimento” em zonas de elevada concentração de estabelecimentos onde são exercidas as atividades de restauração: centros históricos, baixas das cidades e zonas balneares.

Segundo as instruções para a operacionalização desta acção nacional, o fisco pretende verificar se os contribuintes “cumprem rigorosamente as obrigações de faturação”, numa altura em que se verifica o “aumento generalizado do turismo em Portugal e o início da época alta do verão”.

“Foi considerado importante reforçar a nossa presença no terreno, por forma a intensificar o controlo dos estabelecimentos de restauração e similares, cuja actividade é significativamente incrementada pela presença de turista, veraneantes ou emigrantes que visitam as suas terras natais”, lê-se nessas instruções a que o Jornal Económico teve acesso.

Nesta acção nacional, os inspectores tributários pretendem confrontar a informação disponível referente às comunicações efetuadas através do sistema e-fatura. Relativas aos programas de faturação certificados utilizados, com os programas de facturação efetivamente em uso nos estabelecimentos. Objetivo: verificar situações em que os contribuintes não estão a comunicar o número de programa certificado ao sistema e-fatura, devendo ser advertidos que essa comunicação não está a ser efetuada ou, em caso de não possuírem programa de facturação certificado, ser levantado o respectivo auto de notícia.

Recorde-se que os programas informáticos usados em muitos cafés e restaurantes permitem fugir aos impostos e estão a lesar o Estado em milhões de euros, nomeadamente em receita de IVA que deixa de entrar nos cofres estatais. Ou seja, os sistemas de faturação permitem apagar dados sem que o fisco perceba. E isto mesmo que os programas cumpram a lei e sejam certificados.

A utilização de programas certificados de facturação é obrigatória para os sujeitos passivos de IRC, IRS e IVA que tenham um volume de negócios anual superior a cem mil euros.

Fisco vai recolher dados para futura monitorização

A AT pretende ainda recolher no local informação relevante que permita conhecer a dimensão e o modo de funcionamento da actividade desenvolvida para “permitir uma monitorização subsequente e uma eficaz análise de risco para selecção para inspeção”.

Segundo a AT, a acção “Esplanada Aberta” visa dar cumprimento ao  objectivo fixado no  Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP) relativo às acções preventivas determinadas pela Direção de Serviços de Planeamento e Coordenação da Inspeção Tributária (DSPCIT) a realizar em 2018.

Ler mais

Relacionadas

Prato do dia pode ficar mais caro por causa de IVA, alerta Deco

Ao pedir uma fatura num restaurante, os produtos devem estar discriminados por causa das diferentes taxas de IVA. A emissão de faturas simplificadas com a designação “prato do dia” está incorreta e pode fazê-lo pagar mais, alerta Deco.

 “O Estado faz bem em multar quem deve, mas tem que cumprir a sua parte: devolver o IVA às empresas”

Belarmino Lucas, presidente da Câmara de Comércio de Barlavento, concorda com a cobrança coerciva de IVA e Imposto sobre Rendimento de Pessoas Colectivas (IPRC) às empresas devedoras, mas espera que o Governo cumpra a sua parte, com o reembolso desses impostos. Lucas quer também que o executivo cumpra com a promessa de atribuir aos armadores cabo-verdianos 25% na futura empresa das linhas concessionadas de transportes marítimos.

Fisco lança raide nacional sobre 7.200 novos operadores económicos

Ação nacional contou com 650 inspetores tributários no terreno e incidiu sobre os novos operadores económicos que iniciaram atividade nos últimos 6 meses. Foram instaurados mais de 100 autos de notícia por não emissão de fatura e não utilização de Programa de Faturação Certificado.
Recomendadas

Zona Franca da Madeira: Bloco diz que decisão de Bruxelas põe em causa a capacidade da Autoridade Tributária nacional e regional de exercerem fiscalização

O Bloco quer ouvir com urgência no Parlamento o Governo depois de Bruxelas concluir que a “aplicação do regime de auxílios da Zona Franca da Madeira em Portugal” não cumpre as regras europeias. O BE deixa críticas à falta de fiscalização por parte da Autoridade Tributária central e da AT da Região Autónoma da Madeira. “A Zona Franca da Madeira continuou a ser utilizada para esquemas de planeamento fiscal agressivo”, disse a deputada Mariana Mortágua. Governo regional e a sociedade que gere a Zona Franca discordam das conclusões de Bruxelas.

Personalidades JE: Aníbal Cavaco Silva – Dez anos Presidente depois de uma década de Cavaquismo

Foi pela mão de Sá Carneiro que Cavaco Silva entrou na vida política “e foi nele que procurei inspiração no exercício das funções de Primeiro-Ministro”, como referiu na apresentação do seu último livro. Deixa para a história uma obra mais marcante nos dez anos em que liderou o Governo, nos quais viabilizou em Portugal investimentos tão relevantes como a Autoeuropa, a barragem do Alqueva ou a revitalização urbanística da Expo98. Depois do “Cavaquismo” foi Presidente da República durante outros 10 anos.

Apoio nas áreas da circulação, formação e investigação chega a 115 projetos, diz Direção-Geral das Artes

O Programa de Apoio a Projetos – Procedimento Simplificado, da Direção-Geral das Artes, nas áreas da circulação nacional, formação e investigação, vai apoiar 115 das 130 candidaturas apresentadas, anunciaram esta sexta-feira os serviços daquele organismo do Ministério da Cultura.
Comentários