Operação secreta desmantelou o único reator nuclear português

O reator nuclear não estava em funcionamento desde o dia 11 de maio de 2016, e a operação de desmantelamento das instalações que abrigaram o único reator nuclear do país deverá demorar uma década até ser concluída. 

Em março decorreu uma operação secreta, cujo objetivo foi desmantelar o único reator nuclear existente em Portugal, noticia o jornal ‘Público’, esta segunda-feira, 2 de setembro. Este reator nuclear português serviu para a investigação científica e ensino durante mais de 50 anos e foi enviado para os Estados Unidos.

A operação sigilosa decorreu numa madrugada de março, sendo que se tratou do transporte do combustível de urânio e de produtos radioativos, entre o Campus Tecnológico e Nuclear, localizado na Bobadela, e o Porto de Apoio Naval de Tróia, onde estava atracado um navio que levaria o material para os Estados Unidos.

O reator tinha sido inspecionado por técnicos da Agência Internacional de Energia Atómica, com os peritos a detetarem diversas falhas técnicas, entre as quais uma fuga de água na piscina onde se localizava o núcleo, que detinha 450 mil litros de água.

O reator nuclear estava fora de funcionamento desde o dia 11 de maio de 2016, e a operação de desmantelamento das instalações que abrigaram o único reator nuclear do país deverá demorar uma década até ser concluída. A exploração do núcleo era gerida pelo Instituto Tecnológico e Nuclear, que estava integrado no Instituto Superior Técnico.

Recomendadas

Governo garante verbas de apoio aos transportes coletivos da Área Metropolitana do Porto

Apesar de o prazo para apresentação dos relatórios relativos ao segundo trimestre de 2021 ter terminado a 31 de julho, O Ministério do Ambiente garante que as Áreas Metropolitanas e Comunidades Intermunicipais que pretendam proceder à retificação ou alteração dos pedidos já formulados poderão ainda fazê-lo até ao dia 15 de agosto.

SATA é a única concorrente à concessão das rotas interilhas nos Açores

Caberá ao júri analisar a proposta apresentada pela SATA e submeter ao secretário Regional dos Transportes, Turismo e Energia, Mário Mota Borges, um “relatório fundamentado para efeitos de adjudicação”.

Groundforce diz que TAP lhe deve 2,5 milhões por voos noturnos. Companhia aérea discorda

Entre julho de 2017 e dezembro de 2018, a empresa diz ter faturado à TAP o valor total de 1.446.706,29 euros, pelas assistências de voos que não estavam previstos em horário de ‘night curfew’ e que acabaram por ser assistidos naquele período.
Comentários