Operação secreta desmantelou o único reator nuclear português

O reator nuclear não estava em funcionamento desde o dia 11 de maio de 2016, e a operação de desmantelamento das instalações que abrigaram o único reator nuclear do país deverá demorar uma década até ser concluída.

Em março decorreu uma operação secreta, cujo objetivo foi desmantelar o único reator nuclear existente em Portugal, noticia o jornal ‘Público’, esta segunda-feira, 2 de setembro. Este reator nuclear português serviu para a investigação científica e ensino durante mais de 50 anos e foi enviado para os Estados Unidos.

A operação sigilosa decorreu numa madrugada de março, sendo que se tratou do transporte do combustível de urânio e de produtos radioativos, entre o Campus Tecnológico e Nuclear, localizado na Bobadela, e o Porto de Apoio Naval de Tróia, onde estava atracado um navio que levaria o material para os Estados Unidos.

O reator tinha sido inspecionado por técnicos da Agência Internacional de Energia Atómica, com os peritos a detetarem diversas falhas técnicas, entre as quais uma fuga de água na piscina onde se localizava o núcleo, que detinha 450 mil litros de água.

O reator nuclear estava fora de funcionamento desde o dia 11 de maio de 2016, e a operação de desmantelamento das instalações que abrigaram o único reator nuclear do país deverá demorar uma década até ser concluída. A exploração do núcleo era gerida pelo Instituto Tecnológico e Nuclear, que estava integrado no Instituto Superior Técnico.

Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários