Operação Teia: Ajustes diretos de mais de três milhões de euros na mira da PJ

Na mira da PJ está a empresa da mulher do presidente da Câmara de Santo Tirso que fornecia serviços de comunicação e imagem ao IPO e à Câmara de Barcelos com suspeitas de facturações fictícias, nuns casos, e noutros não correspondendo aos valores reais.

Cristina Bernardo

A investigação a um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas de Santo Tirso e Barcelos e o  e Instituto Português de Oncologia do Porto, com vista à viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, terá lesado os cofres do Estado em mais de três milhões de euros. Na mira da PJ está a empresa da mulher do presidente da Câmara de Santo Tirso que fornecia serviços de comunicação e imagem ao IPO e à Câmara de Barcelos com suspeitas de faturações fictícias, nuns casos, e noutros não correspondendo aos valores reais. O Estado terá sido lesado em mais de três milhões de euros em dezenas de ajustes diretos, revelou ao Jornal Económico fonte próxima ao processo,

A investigação da PJ desencadeou nesta quarta-feira, 29 de maio, a “Operação Teia” com buscas domiciliárias e não domiciliárias, em autarquias, entidades públicas e empresas, levando à detenção do presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, eleito pelo PS, e o presidente do conselho administração do IPO, Laranja Pontes, suspeitos, tal como Manuela Couto e Joaquim Couto, da prática de crimes de corrupção, tráfico de influências e participação económica em negócio, no âmbito de um inquérito titulado pelo Ministério Público – DIAP do Porto.

No centro da “teia” investigada pela PJ está a W Global Communication (antiga Mediana), empresa de comunicação e marketing, onde a mulher do autarca de Santo Tirso é administradora. Segundo fonte conhecedora do processo, estão a ser investigados “pagamentos e trocas de favores” no âmbito de um esquema de ajustes diretos atribuídos a esta empresa com vista ao fornecimento de serviços de comunicação e imagem ao IPO, bem como à Câmara de Barcelos.  Em causa estão, diz, “suspeitas de serviços faturações fictícias, nuns casos, e noutros não correspondendo aos valores reais”.

Em comunicado, a PJ deu ontem conta de que o inquérito está relacionado com “a prática reiterada de viciação de procedimentos de contratação pública, com vista a favorecer pessoas singulares e coletivas, proporcionando vantagens patrimoniais”.

Segundo a PJ, a investigação, centrada nas autarquias de Santo Tirso, Barcelos e IPO, “apurou a existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Na operação policial realizaram-se 10 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, nas zonas do Porto, Santo Tirso, Barcelos e Matosinhos que envolveram dezenas de elementos da Polícia Judiciária – investigadores, peritos informáticos, peritos financeiros e contabilísticos, bem como magistrados judiciais, magistrados do Ministério Público e representantes de ordens profissionais.

Em comunicado, a PJ assegura que “a investigação vai prosseguir para apuramento de todas as condutas criminosas e da responsabilização dos seus autores”.

Empresa de mulher de autarca na mira de outro inquérito

Esta não é a primeira vez que a autarquia liderada por Joaquim Couto é envolvida em casos judiciais. Manuela Couto, administradora da W Global Communication, foi uma das cinco pessoas detidas a 18 de outubro do ano passado pela PJ no âmbito da Operação Éter, que investiga a viciação de contratos no Turismo do Norte no valor de vários milhões de euros.

Entre os detidos estavam empresários ligados a dois tipos de prestação de serviços ao Turismo do Porto e Norte. Um diz respeito a serviços de marketing e publicidade, tendo Manuela Couto sido detida neste âmbito. A empresa em causa sucedeu à Mediana, que chegou a ser detida por Joaquim Couto, eleito autarca pelo PS e antigo deputado pelo mesmo partido. Nesta investigação ao caso de favorecimentos a empresas no mega-inquérito ao Turismo do Porto e Norte, estão em causa suspeitas de adjudicações a empresas de amigos, tráfico de influências e uso indevido dos recursos públicos, envolvendo meia centena de autarquias e militantes do PSD e do PS.

Ler mais
Recomendadas

Football Leaks: Rui Pinto colocado em prisão domiciliária para colaborar com a PJ

Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do caso Luanda Leaks, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, foi esta quarta-feira colocado em prisão domiciliária, indicaram os advogados à agência Lusa.

Prisão preventiva para quem estiver infetado e a violar quarentena

Para que a prisão preventiva seja aplicada é preciso que o Ministério Público peça medidas de coação mais pesadas nos casos de eventual crime de propagação de doença. Advogados dizem que “crime de desobediência não tem capacidade para responder aos problemas atuais” .

Empresário terá roubado dois milhões de máscaras na Galiza para vender em Portugal

De acordo com a polícia espanhola, o homem assaltou um armazém de uma empresa de produtos sanitários, inserido num módulo industrial nos arredores de Santiago de Compostela, e, posteriormente, terá entrado em contacto com um conjunto de “cidadãos portugueses”.
Comentários