Operadora MásMóvil quer comprar Vodafone Espanha por 6 mil milhões de euros

A notícia está a ser avançada pelo jornal “El Confidencial” e refere que a empresa de telecomunicações espanhola conta com o apoio do banco Goldman Sachs, financiador da operação.

A operadora de telecomunicações espanhola MásMóvil terá apresentado uma proposta de compra da Vodafone Espanha por 6 mil milhões de euros, noticia esta quarta-feira o “El Confidencial”.

Segundo o mesmo jornal, a operação, que duplicaria o valor de mercado da MásMóvil, será financiada pelo banco Goldman Sachs e o plano estratégico para calcular as sinergias da possível integração foi elaborado pela consultora McKinsey.

A empresa prevê que a contribuição do EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e a poupança de custos, estimada em até 2 mil milhões de euros, criaria valor desde o primeiro momento.

De acordo com as fontes do “El Confidencial”, a MásMóvil, a quarta maior operadora do país, lançou-se na proposta de aquisição da subsidiária espanhola da Vodafone este verão, mas a ‘telecom’ com sede em Londres contrapôs e pediu 8 mil milhões de euros, mais do que os 7,2 mil milhões pagos pela Ono em 2014.

Contactadas pelo diário espanhol, fontes oficiais da Goldman Sachs não comentaram o assunto e da MásMóvil recusam responder a “rumores de mercado”. “Eembora houvesse a intenção da MásMóvil ou dos seus acionistas de negociar a compra da Vodafone não temos interesse”, respondeu, por sua vez, o grupo britânico.

O anúncio desta possível concentração no mercado de telecomunicações espanhol surge numa altura em que a Vodafone Espanha triplica os prejuízos. A empresa perdeu 601,3 milhões de euros no último ano fiscal no último ano fiscal (iniciado a 1 de abril de 2018 e terminado a 31 de março de 2019) sobretudo devido à queda de 9% nas receitas, para 3.635 milhões de euros, causada pela decisão de não oferecer os jogos mais importantes da La Liga e da Liga dos Campeões.

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários