PremiumOrçamento da Zona Euro dá uma pequena ajuda em caso de recessão

Eurogrupo chegou a acordo sobre novo mecanismo para financiar investimentos. Países terão de pagar comparticipação mesmo sob “condições económicas severas”, embora a uma taxa reduzida.

O orçamento comum da Zona Euro está finalmente a sair do papel, depois de uma reunião do Eurogrupo em que os ministros das Finanças da moeda única chegaram a acordo sobre os principais contornos do novo mecanismo, a entrar em vigor em 2021. Mas quem esperava um instrumento totalmente redistributivo e contracíclico na moeda única pode ficar desiludido com uma das cláusulas: os projetos de investimento financiados pelo orçamento comum terão de ser à mesma comparticipados com verbas dos próprios Estados-membros, mesmo que o país esteja numa recessão profunda.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, elencou na quinta-feira de manhã os principais características do BICC Instrumento Orçamental para a Convergência e a Competitividade (conhecido pela sigla BICC, em inglês), depois de os ministros estarem reunidos até de madrugada.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Centeno anuncia que Eurogrupo chegou a acordo para criar orçamento do euro

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram a acordo para a criação do  Instrumento Orçamental para a Convergência e a Competitividade (BICC, na sigla em inglês), que vai reservar 20% dos seus fundos para mitigar situações de crise.
Recomendadas

OE2020: António Costa quer dar “primeiro passo” para diminuir peso do IRS na classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da classe média.

OE2020: UTAO diz que são precisas novas medidas de consolidação no valor de 245 milhões de euros

A UTAO estima que o Governo terá de avançar no próximo Orçamento do Estado com novas medidas de consolidação orçamental, além das previstas no Programa de Estabilidade, no valor de 245 milhões de euros para cumprir as regras europeias.

Marcelo considera “bom que o abrandamento em Portugal seja menor” do que em outros países

O Presidente da República considera que “numa altura em que a Europa e o Mundo estão abrandar muito, é bom Portugal conseguir estar acima da média europeia”.
Comentários