Ordem dos Engenheiros subscreve declaração sobre emergência climática

O documento da WFEO, recentemente emitido, elenca 11 medidas concretas com as quais a federação internacional das ordens de engenheiros se compromete, considerando as crises de colapso climático como as questões mais graves da atualidade.

A Ordem dos Engenheiros (OE) decidiu hoje, dia 10 de dezembro, subscrever a Declaração da Federação Mundial de Associações Profissionais de Engenharia (World Federation of Engineering Organizations – WFEO), de que é membro, sobre a emergência climática.

“O documento recentemente emitido, no qual são elencadas 11 medidas concretas com as quais a WFEO se compromete, é peremptório em considerar as crises de colapso climático como as questões mais graves da atualidade”, destaca um comunicado da Ordem dos Engenheiros.

Segundo esta nota informativa, esta realidade “exige da engenharia mundial uma mudança de paradigma” que permita, de acordo com a declaração internacional da WFEO, “atender às necessidades da nossa sociedade sem violar as fronteiras ecológicas da Terra”.

A WFEO é constituída pelas principais associações de engenheiros de todo o mundo, representa mais de 30 milhões de engenheiros de cem países, é membro do principal grupo da comunidade científica e tecnológica das Nações Unidas e é associada da UNESCO.

“A Ordem dos Engenheiros (OE) é, assim, uma das associações subscritoras desta declaração, em concordância com as preocupações e os alertas que tem vindo a manifestar junto da sociedade e dos órgãos do governo, e em representação de uma classe profissional imprescindível nas iniciativas que forem tomadas com vista à sustentabilidade ambiental e à mitigação dos efeitos das alterações climáticas”, adianta o referido comunicado.

Os responsáveis da OE recordam que a Ordem dos Engenheiros declarou 2018 como o ‘Ano OE das Alterações Climáticas’, 2019 como o ‘Ano OE da Economia Circular – Eficiência Material’, além de se preparar para dedicar o ano de 2020 à ‘Economia Circular – Eficiência Hídrica’.

Ler mais
Recomendadas

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.

Projeto para devolver garrafas de plástico nos supermercados deverá arrancar no primeiro trimestre de 2020

Segundo os promotores, este é um projeto muito importante para preparar a implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, que deverá suceder ao sistema de incentivo a partir de 1 de janeiro de 2022.

Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.
Comentários