Ordem dos Médicos da Madeira diz que não recebeu qualquer queixa de Rafael Macedo sobre outros profissionais

O presidente do conselho médico da Ordem dos Médicos da Madeira referiu que o código deontológico proíbe de se fazer comentários depreciativos sobre colegas e relativamente a tratamentos mas também a reportar alguma prática incorrecta.

A Ordem dos Médicos da Madeira diz que não recebeu por parte de Rafael Macedo, coordenador da unidade de medicina nuclear do Serviço Regional de Saúde (SESARAM), qualquer queixa referentes a outros médicos.

A garantia foi dada por António Pedro Freitas, presidente do conselho médico da Ordem dos Médicos da Madeira,  durante a comissão de inquérito à unidade de medicina nuclear do SESARAM que decorre na Assembleia Regional.

“O código deontológico do ponto de vista deontológico regula a relação entre médicos. O código proíbe-nos de fazer comentários depreciativos e a tratamentos, mas também a transmitir qualquer prática incorrecta”, explicou António Pedro Freitas.

O presidente do conselho médico confirmou que “não recebeu qualquer queixa” de Rafael Macedo sobre comportamento de colegas que acusou de negligência.

“Ou prova o que diz, mas se não conseguir provar tem de arcar com as consequências”, sublinhou. António Pedro Freitas disse ainda que “não concorda com a forma” como foi transmitido cá para fora as acusações de Rafael Macedo. “Tentamos inquirir e Rafael Macedo faltou. Tentamos ouvi-lo para ouvir a verdade dele para tentar perceber até onde isto ia”, referiu.

De referir que Rafael Macedo tinha acusado alguns alguns colegas de “forte negligência” e de administrarem tratamentos “não adequados”.

António Pedro Freitas disse ainda que ter uma unidade de radioterapia na Madeira “é importante” e que a unidade de medicina nuclear “é uma mais valia” ter o serviço dentro do SESARAM. O presidente do conselho médico acrescentou ainda que os colégios de especialidade é importante na medida em que “garantem qualidade e garantem os cuidados” que são prestados à população.

“Tem de se obedecer indicações do colégio”, explicou.

Ler mais
Recomendadas

Madeira: PS defende Plano Regional de Saúde Mental Escolar e mais recursos para os estabelecimentos de ensino

Na ótica do deputado socialista, este trabalho deverá ser feito não só dentro da escola, mas deve envolver também os centros de saúde, o SESARAM, outros técnicos e enfermeiros desta especialidade.

16% da população empregada da Madeira diz ter trabalhado a partir de casa

Daqueles que reportarem ter estado em teletrabalho, 88% diz que o principal motivo se deveu à pandemia, enquanto que no território nacional a percentagem subiu para os 91%.

Governo Regional da Madeira aprova 84 mil e 500 euros em contratos-programa

São três contratos-programa no valor de 60 mil, 15 mil e 9 mil e 500 euros.
Comentários