Ordem dos Notários desmente acusação de procuradoria ilícita: “Absurda”

A entidade liderada por Jorge Silva garante que é falso que a Ordem dos Notários tenha uma plataforma na qual dá consultoria jurídica.

A Ordem dos Notários considera “absurda” e “disparatada” a acusação do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados (OA) de que os notários estão a desempenhar serviços que competem exclusivamente aos advogados, estando, alegadamente, a praticar procuradoria ilícita.

A entidade liderada por Jorge Silva garante que é falso que a Ordem dos Notários tenha uma plataforma na qual dá consultoria jurídica e apelida de “lamentável” a circunstância em que aquele conselho da OA lhe endereça críticas, defendendo que seria “melhor” utilizar os seus recursos para auxiliar os profissionais e os cidadãos a superar esta crise sanitária e socioeconómica.

“Importa sublinhar que os notários são licenciados em Direito e possuem o dever legal de esclarecer juridicamente os cidadãos quando praticam atos jurídicos, algo que vão continuar a fazer, pelo que é ridícula a acusação quanto à possível prática de procuradoria ilícita seja pela Ordem dos Notários ou pelos notários”, refere a Ordem dos Notários, numa nota enviada ao Jornal Económico esta terça-feira.

Em causa está o facto de o Conselho Regional de Lisboa da OA ter denunciado ontem um serviço de esclarecimento de dúvidas jurídicas oferecido pelos notários e ter dito que um profissional desta área manifestou disponibilidade para prestar aconselhamento jurídico e pediu uma provisão para esse efeito.

“Não será admissível que a Ordem dos Notários publicite a prestação de serviços de esclarecimento de «dúvidas jurídicas» como o faz, e de forma generalista, fazendo crer ao público alvo que terá competência para prestar “consulta jurídica” ao cidadão, em qualquer área do direito e em qualquer matéria”, argumentou a entidade liderada por João Massano, que instaurou um procedimento de averiguação preliminar para perceber o teor e o alcance do anúncio.

Recomendadas

CPAS aprova plano de proteção de rendimentos para advogados, solicitadores e agentes de execução com incapacidade temporária de trabalho

O seguro de acidentes pessoais e de doença foi desenvolvido pela AIG e permite que os beneficiários beneficiem de uma proteção que lhes garante, nas situações previstas, o pagamento equivalente a 70% da remuneração convencional mensal por si escolhida, sendo que os prémios são assumidos pelo sistema de previdência.

Legal design. O triângulo entre tecnologia, Direito e design que está a entrar a advocacia

“A tecnologia não nos está a substituir. Temos de utilizá-la, dizer que dados pretendemos e para quê. Claro que são ferramentas novas, mas nós continuamos a ser os profissionais”, garante Alexandre Zavaglia Coelho, CEO da consultora brasileira Legal Score.

Optimal assessora AdeA na compra da portuguesa Safebox

As duas empresas operam na área da gestão de arquivos e documentos.
Comentários