PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.

O futuro da caixa de previdência dos advogados e solicitadores começa a ser decidido esta sexta-feira no Parlamento. Os deputados, no âmbito da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, já ouviram tanto o bastonário da Ordem dos Advogados (OA), Luís Menezes Leitão, como o da Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução, José Carlos Resende, bem como os dirigentes das principais associações de jovens advogados.

Ao Jornal Económico (JE), o bastonário da OA disse que recebeu “dezenas” de denúncias de advogados que estão a ser indevidamente inscritos na Segurança Social, numa altura em que os partidos discutem se hipótese de a Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) vir a ser integrada no regime geral da Segurança Social. “E estou convencido de que não temos mais porque as pessoas não veem a sua Segurança Social Direta porque não estão inscritos lá. Quando alguém vai lá, descobre que tem contribuições fixadas”, disse Menezes Leitão.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.
antónio_costa_silva_partex_4

Sérvulo promove encontro com António Costa e Silva

A Sérvulo promove na próxima semana uma conferência online que conta com a participação de António Costa e Silva, o autor do documento que serve de base ao Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030. Assista ao evento no próximo dia 11 de março, na JE TV. Os leitores do Jornal Económico poderão enviar questões para colocar aos oradores.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários