“Os CTT não prestam informação enganosa, nem mentem”, diz Francisco Lacerda

Os CTT apresentaram hoje resultados anuais ao mercado, mas o conflito entre a empresa e a Anacom não foi esquecido na conferência de imprensa.

Cristina Bernardo

O presidente executivo dos CTT – Correios de Portugal afirmou esta quarta-feira que a empresa que lidera não engana ninguém. “Os CTT não prestam informação enganosa”, disse à margem da apresentação dos resultados referentes a 2018.

Sobre o assunto especifico das reclamações, Lacerda acrescentou que os CTT “não mentem, não metem aos trabalhadores, nem metem às autoridades”.

As afirmações do CEO dos CTT configuram mais uma resposta da empresa concessionária do serviço postal universal português às posições da Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom), face ao número de queixas apresentadas pelos clientes ao serviço postal. Números que os CTT argumentou não serem verdadeiros.

Esta quarta-feira, os CTT anunciaram ao mercado um lucro 28% abaixo do registado em 2017, devido aos custos de rescisões contratuais.

[Em Atualização]

Relacionadas

Lucro dos CTT caiu 28% em 2018 penalizado por custos de rescisões

As receitas da empresa liderada por Francisco Lacerda foram penalizadas pela quebra dos serviços financeiros e as indemnizações pagas no âmbito do programa de transformação operacional. Ao nível do EBITDA, os números foram estáveis face aos de 2017,

CTT: dividendo de 2018 cai para 0,10 euros por ação

Quebra é de 70% face a 2017. No total, os CTT vão pagar 15 milhões de euros aos acionistas.

“Tem de haver uma clara segregação entre o serviço postal e o Banco CTT”, defende presidente da Anacom

João Cadete de Matos foi ao Parlamento falar sobre a prestação e qualidade do serviço disponibilizado pela empresa CTT – Correios de Portugal, à luz do contrato de concessão do serviço público universal dos correios e sobre os projetos de lei que alteram a Lei das Comunicações Eletrónicas.

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.
Recomendadas

Lidl investiu 180 milhões em Portugal e abriu 261ª loja no ano passado

A abertura de loja de Rio Tinto e as restantes quatro reaberturas advêm de um investimento de 180 milhões de euros que o Lidl fez no país, no ano fiscal de 2020.

Grupo Jerónimo Martins investe em Marrocos para aumentar aquacultura de alto mar

O grupo de Pedro Soares dos Santos comprou 66,68% da Mediterranean Aquafarm em Marrocos, para produzir neste país, em alto mar, robalo, dourada e corvina em novas unidades que têm a vantagem de estarem perto de Portugal, o que facilita a rapidez de abastecimento do mercado nacional, garantindo pescado fresco.

Blackbrook vai adquirir portefólio de supermercados e arrendá-los ao Continente a longo prazo

A Blackbrook Capital destaca que os espaços serão arrendados à Sonae, para a exploração da marca “Bom Dia” como lojas de conveniência “de menor formato para aumentar a saturação, atender às preferências do consumidor e operar como centros de micro-logística para atender clientes locais”.
Comentários