Os desafios do mundo VUCA

A aceleração tecnológica acelerou o ‘gap’ entre as organizações altamente eficientes e as que não acompanham o ritmo. Estaremos dispostos a evoluir rapidamente para organizações mais ágeis e orgânicas?

O emergir de uma nova economia num mundo VUCA – o acrónimo em inglês para volatilidade, incerteza complexidade e ambiguidade –, em que aquela é baseada em grandes corporações, cachos de startups, fusões e aquisições, automação e machine learning, faz com que a criação de valor dependa cada vez mais das pessoas. As suas capacidades de apreender, acumular, criar e disseminar conhecimento passam a ser as suas principais ferramentas de trabalho, ajudando a organização a gerar respostas adaptativas.

Os mais recentes estudos na área destacam de forma muito clara os contornos do desafio que hoje enfrentamos:

1. A produtividade não acompanhou o ritmo do desenvolvimento tecnológico. O que hoje conseguimos fazer com a tecnologia não é aproveitado porque continuamos a trabalhar como se estivéssemos nos anos 80. Por isso mesmo, continuamos a usar o mail como o principal meio de comunicação e arquivo, quando hoje temos espaços de colaboração muito mais eficientes, todos na cloud e alguns deles com custos perfeitamente marginais comparados com os custos tradicionais do IT.

Isto para não falar do custo inerente ao “ruído organizacional” que o uso desproporcionado do mail criou, seja em termos de produtividade, seja em termos de saúde ocupacional e stresse no trabalho (e fora dele, já agora, uma vez que estamos permanentemente “ligados”);

2. A produtividade no trabalho reflete-se hoje em dia em atividades tão elementares como a forma como tiramos notas, por exemplo. Continuamos a tomar notas muitas vezes sem um sistema montado que nos permita aproveitar a informação num flow eficiente e não tiramos proveito da capacidade das diversas aplicações comunicarem entre si para criarmos um ecossistema ágil de produtividade, continuando à espera que grandes sistemas de informação deem resposta a todos os nossos problemas;

3. Mas a produtividade também tem a ver com modelos mentais e modelos de gestão e organização do trabalho a nível corporativo. Muitas vezes não organizamos os nossos rituais de gestão para tirarmos proveito da tecnologia: continuamos obcecados com o presenteísmo (temos de ver os colaboradores para sabermos que eles estão verdadeiramente a trabalhar), dando primazia ao paradigma do controlo em detrimento do paradigma da responsabilização, o que obstaculiza o trabalho remoto, por exemplo.

Rituais de controlo dos processos em vez de apuramento de resultados geram muitas vezes reuniões excessivas, redundâncias e desperdício, em muitos casos fruto de regras de compliance nas multinacionais que não são flexíveis o bastante para tirar o proveito devido das possibilidades que as tecnologias oferecem;

4. A legislação também não acompanha esta evolução, seja na tecnologia seja naquilo que as novas gerações valorizam (o que dizer a um jovem engenheiro que reclama querer fazer 15 minutos de almoço para depois sair mais cedo e ir ao ginásio? Segundo a legislação laboral portuguesa atual, isso não é permitido).

Face a este cenário, o problema central reside na competitividade sustentável: a aceleração tecnológica acelerou o gap entre as organizações altamente eficientes e as que não acompanham o ritmo… e nunca como hoje tantas empresas fecharam ou faliram, por não se conseguirem manter competitivas. Estaremos dispostos a evoluir rapidamente para organizações mais ágeis e orgânicas?

Recomendadas

Matosinhos chama empreendedores do mar para “inverter ciclos negativos” da economia azul

O programa BluAct é apresentado esta segunda-feira em Matosinhos, cidade que representa Portugal a nível europeu. “Há cerca de 200 investigadores a trabalhar no centro tecnológico CIIMAR que, em muitos casos, têm ideias que não avançam por não terem estímulos suficientes”, disse António Correia Pinto, vereador do Ambiente da Câmara Municipal, ao Jornal Económico.

PremiumJorge Lopes Costa: “O único recurso capaz de inovar são as pessoas”

Universidade Católica lança formação avançada em empreendedorismo corporativo. Inscrições já estão abertas.

PremiumHostmaker: “Se matarem o alojamento local vão ter que o reativar”

David Costa, executivo da empresa em Lisboa, critica as medidas que o Estado pretende introduzir no setor no Orçamento do Estado para 2020: “O alojamento local tem custos bastante superiores ao alojamento tradicional”.
Comentários