Os riscos para a economia mundial identificados pelo FMI

Fundo Monetário Internacional cortou as projeções para a economia mundial para este ano e o próximo, destacando que o mundo vive um “desacelerar sincronizado”.

Bogdan Cristel/Reuters

Conflitos comerciais, incerteza geopolítica, tensão macroeconómica em vários mercados emergentes e fatores estruturais, como o baixo crescimento da produtividade e envelhecimento demográfico em economias avançadas, são os principais riscos que estão a pressionar a economia mundial, segundo o relatório “World Economic Outlook”, publicado ontem pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Os riscos em torno das previsões da linha de base permanecem descendentes, embora a recente flexibilização da política monetária em muitos países possa aumentar a procura mais do que o projetado, especialmente se as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China diminuírem e um Brexit sem acordo for evitado, os riscos negativos parecem dominar as perspectivas”, explica o FMI.

A instituição de Bretton Woods estima uma expansão global de 3% este ano e de 3,4%, menos duas décimas e uma décima do que no relatório publicado em julho. O FMI destaca ainda que a previsão mundial “é baseada no crescimento constante e contínuo de várias economias emergentes que devem manter um desempenho relativamente saudável, mesmo quando o crescimento for moderado nos Estados Unidos e na China”.

O “World Economic Outlook” publicado na terça-feira pelo FMI identifica assim os principais riscos para a economia global:

Travagem na China

A instituição liderada por Georgieva antecipa uma desaceleração do crescimento para 6,1% e 5,8% este ano e no próximo na China, menos uma e duas décimas abaixo do relatório projetado em julho.

“O crescimento também enfraqueceu na China, onde os esforços regulatórios necessários para conter a dívida e as consequências macroeconómicas do aumento das tensões comerciais afetaram a procura agregada. Prevê-se que o crescimento continue a diminuir gradualmente nos próximos anos, refletindo um declínio no crescimento da população em idade ativa e uma convergência gradual no rendimento per capita”, realçou o FMI.

Tensões comerciais e Brexit

O FMI sublinha que as tensões comerciais aumentaram nos últimos meses, com impacto para a economia mundial. “Desde a primavera, os mercados financeiros têm sido afetados pelas crescentes taxas alfandegárias dos EUA para todas as importações da China, restrições impostas pelos Estados Unidos ao comércio com empresas de tecnologia chinesas e maior risco de um Brexit sem acordo”, identificou.

Mercados emergentes

Já os mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento deverão ter uma expansão de 3,9% em 2019, acelerando para 4,6% em 2020. “As previsões para 2019 e 2020 são 0,5 p.p. e 0,2 p.p. mais baixos, respectivamente, do que em abril, refletindo revisões em baixa nas principais regiões, exceto na Europa emergente e em desenvolvimento”, explica o FMI.

Abrandamento na Alemanha e zona euro

As perpetivas de crescimento da zona euro foram atualizadas em baixa pelo FMI, devido ao “crescimento mais fraco da procura externa” e a redução de stocks devido a uma “fraca produção industrial”, em particular na Alemanha. A instituição liderada agora por Kristalina Georgieva antecipa que a região da moeda única cresça 1,2% este ano, face aos 1,3% projetados em junho, pressionada pelas travagens da economia alemã.

A procura externa pode recuperar no próximo ano na zona euro porque alguns fatores temporários que estão a afetar o crescimento – como as novas regras de emissões que afetam a produção de carros na Alemanha – deverão “continuar a desaparecer”. Mas mesmo que tal aconteça o ritmo de recuperação será apenas “modesto”, indica o relatório.

Ler mais

Recomendadas

Fórum para a Competitividade estima queda de até 8,5% do PIB no primeiro trimestre

“O confinamento mais estrito, somado ao autoconfinamento, terão tido um impacto económico acentuado, visível já nos primeiros indicadores do ano. No turismo, houve deterioração de expectativas, já sem esperança em relação à Páscoa”, argumenta a entidade.

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

Dívida pública recuou em janeiro depois de ter atingido máximo histórico

A dívida recuou 600 milhões entre dezembro e janeiro refletindo “essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões”, de acordo com o Banco de Portugal.
Comentários