Ouro sobe e ultrapassa 1.600 dólares por onça

“Tecnicamente, o ouro enfrenta uma resistência muito grande nos 1.600 dólares, nível que não alcançava desde março de 2013”, de acordo com um comentário de mercado da financeira britânica IG,

O ouro subia esta terça-feira para 1.601,03 dólares por onça, um aumento de 19,90 dólares (1,26%), sendo procurado como valor de refúgio para os investidores. Às 17:45 (hora de Lisboa), a cotação da onça de ouro atingia 1.601,03 dólares.

“Tecnicamente, o ouro enfrenta uma resistência muito grande nos 1.600 dólares, nível que não alcançava desde março de 2013”, de acordo com um comentário de mercado da financeira britânica IG, citada pela agência Efe.

O ouro tem sido utilizado como ativo de refúgio numa altura de incerteza económica, estando atualmente essa incerteza associada à epidemia causada pelo novo coronavírus, que surgiu em finais de dezembro na China.

Recomendadas

Taxa de desemprego fixou-se em 7,7% em setembro, estima INE

Em termos homólogos a taxa de desemprego aumentou 1,2 pontos percentuais. Mas, comparativamente com o mês de agosto e com o conjunto dos três meses anteriores a setembro, INE registou-se um abrandamento no desemprego. Os dados ainda são provisórios.

Portugueses entre os que mais pouparam na UE em tempo de pandemia

Segundo as estimativas do Eurostat, a taxa de poupança das famílias aumentou em quase todos os estados-membros, no segundo trimestre de 2020. Irlanda, Espanha e Portugal integram o pódio de países do bloco europeu onde se assistiu às maiores poupanças

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.
Comentários