‘Out of the office’ para ir à praia. Doutor Finanças testa 4 dias de trabalho por semana em agosto

Mas a experiência da Doutor Finanças não é só reduzir o horário laboral, trata-se também de “trabalhar melhor” e dos seus trabalhadores conseguirem uma melhor gestão da sua vida profissional e pessoal.

finanças pessoais

O mês de agosto vai ser mais curto para os trabalhadores da Doutor Finanças. Questionados sobre o que estariam a fazer se não tivessem a trabalhar, a resposta mais dada foi “ir à praia” e a empresa vai permiti-lo.

Numa nota interna aos colaboradores a que o Jornal Económico teve acesso, a Doutor Finanças permite que as equipas se coordenem com as respetivas chefias para trabalharem menos oito horas por semana e terem a oportunidade então de irem à praia.

Ainda assim, o tradicional out of the office não pode ser o mesmo dia para todos, com os doutores a terem de escolher os dias nas semanas de 2, 9, 16 e 23 de agosto. “Alguém tem que garantir que os nossos clientes continuarão a ser acompanhados com a excelência que caracteriza os Doutores”, escreve a Doutor Finanças aos seus colaboradores.

Os trabalhadores vão ainda receber um kit de férias em casa, de forma a que consigam aproveitar o dia da semana em que não trabalham. O intuito é que também possam partilhar este mesmo kit nas redes sociais, de forma a incentivarem mais empresas a adotar a semana de trabalho de 32 horas.

De acordo com a empresa, este é um teste-piloto que visa testar a produção das semanas de trabalho, num mês em que a maioria dos trabalhadores portugueses se encontram ausentes dos escritórios devido às férias. A Doutor Finanças inspirou-se nas últimas notícias que davam conta do sucesso da experiência na Islândia.

Mas a experiência da Doutor Finanças não é só reduzir o horário laboral, trata-se também de “trabalhar melhor” e dos seus trabalhadores conseguirem uma melhor gestão da sua vida profissional e pessoal.

“Somos provavelmente das primeiras empresas que estão a dinamizar esta iniciativa e no nosso sector de atividade arriscaria a dizer que somos a primeira”, disse Irene Vieira Rua, diretora de Recursos Humanos da Doutor Finanças, num vídeo difundido entre os colaboradores.

Num contexto pré-pandémico, a Doutor Finanças já tinha permitido que os colaboradores com filhos até aos 12 anos pudessem levar os filhos até aos escritórios, uma iniciativa que fez com que os trabalhadores não gastassem tanto dinheiro com atividades e poupassem para as férias familiares.

A diretora faz ainda questão de esclarecer que a redução do horário laboral, com a folga de um dia semanal, não significa trabalhar em excesso nos restantes dias. “Pretende-se trabalhar menos horas mas melhor”, esclareceu Irene Vieira Rua, adiantando que se os trabalhadores começarem a trabalhar as 12 horas por dia a ideia cai então por terra.

Recomendadas

Venda de smartphones sem carregador é correta à luz da lei?

Se o profissional não inclui um adaptador de corrente com o smartphone e que não informa, de forma cuidadosa, o consumidor – trata-se de uma omissão enganosa e, como tal, conduz ou é suscetível de conduzir o consumidor a tomar uma decisão de compra que não teria tomado de outro modo.

OE2022: Inquilinos defendem mais cinco anos para período de transição de rendas antigas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) defende o prolongamento por mais cinco anos do período transitório para contratos de arrendamento anteriores a 1990, sendo esta uma das medidas que quer ver incluída no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

Lisboa. Avenida Fontes Pereira de Melo fecha ao trânsito temporariamente

Segundo a autarquia, a avenida estará encerrada para que se proceda à realização de trabalhos no coletor e reposição da infraestrutura, que estima durarem toda a semana.
Comentários