Pagamentos com cartão superaram ligeiramente os valores de 2019 em setembro, diz BdP

As compras com cartão ‘contactless’ representaram 30% das compras com cartão realizadas no país em setembro, um aumento de 22 pontos percentuais face à média de 2019. As compras online representaram 9% das compras com cartões, um aumento de 1,5 pontos percentuais face à média de 2019.

Em setembro de 2020, as operações com cartões de pagamento superaram, pela primeira vez desde o início da pandemia de Covi-19 em Portugal, os números de 2019 (+0,1% em valor e +0,2% em quantidade), anuncia o Banco de Portugal (BdP).

Esta evolução representa uma recuperação de aproximadamente 30 pontos percentuais face a abril de 2020, mês em que se registou uma redução sem precedentes na utilização de cartões de pagamento.

Segundo o regulador bancário, as compras efetuadas por consumidores portugueses em território nacional registaram um crescimento homólogo pelo terceiro mês consecutivo, que ascendeu a 5,2%. Porém, fruto das restrições à circulação internacional de pessoas, as compras de portugueses no estrangeiro e as compras de estrangeiros em Portugal mantém-se aquém dos valores de 2019 (-18,3% e -46%, respetivamente).

“A conveniência e segurança dos pagamentos contactless e da compras online levaram os consumidores a aderir cada vez mais a estas modalidades”, constata o BdP.

As compras com cartão contactless representaram 30% das compras com cartão realizadas no país em setembro, um aumento de 22 pontos percentuais face à média de 2019. As compras online representaram 9% das compras com cartões, um aumento de 1,5 pontos percentuais face à média de 2019.

“Com o país ainda em situação de contingência, a estrutura de despesa das famílias em setembro de 2020 difere daquela registada no mesmo mês do ano passado. Enquanto as compras em supermercados/hipermercados e restantes atividades de retalho e na saúde cresceram 7% e 17%, respetivamente, sectores como a restauração e alojamento mantém-se em terreno negativo (-14,4% e -42,7%, respetivamente)”, relata o BdP.

Embora o valor dos levantamentos de numerário efetuados por portugueses, em setembro de 2020, tenha ficado 7,1% abaixo do período homólogo, o valor acumulado das compras e dos levantamentos nacionais cresceu 0,3%. Estes dados sugerem uma substituição de levantamentos de numerário por compras com cartão, constata a análise.

O valor dos levantamentos efetuados por estrangeiros em Portugal, -35,5%, e por portugueses no estrangeiro, -34,7%, registou uma evolução homóloga idêntica à observada nas compras, refere ainda o BdP.

O banco central refere ainda que nas três primeiras semanas de outubro (até dia 18), as compras efetuadas por consumidores portugueses em território nacional cresceram 4,2% em termos homólogos. No entanto, mantém-se a evolução negativa das compras efetuadas por estrangeiros (-50,9%) e dos levantamentos de numerário realizados por portugueses (-6,5%) e por estrangeiros em Portugal (-34,9%).

Ler mais

Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Novo Banco? Se fosse em 2013, isto tinha rebentado com o mercado para Portugal”

Nesta edição do programa da JE TV, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE), Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) e Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisaram o impacto do ‘travão’ parlamentar ao financiamento do Novo Banco.

BCE obriga bancos sistémicos a avaliarem antecipadamente o risco de incumprimento nos contratos em moratória

Há seis novas diretrizes do BCE aos bancos de importância sistémica e os CEO dos bancos têm de responder ao supervisor europeu até 31 de janeiro de 2021. O BCE diz que os bancos supervisionados devem realizar uma avaliação regular da improbabilidade de os créditos serem pagos, incluindo aqueles que estão protegidos pela moratória de pagamento, usando todas as informações relevantes e disponíveis.

Fusão do CaixaBank com o Bankia aprovada em assembleia geral

Criação do maior banco em Espanha está agora apenas dependente da aprovação das autoridades regulamentares competentes. Agência de notação financeira DBRS diz que os benefícios da fusão vão demorar tempo a serem atingidos e alerta para a deterioração do rácio de NPL do CaixaBank logo após a operação.
Comentários