“País não precisa de estados de emergência, mas sim de medidas de urgência para resolver os problemas”, diz Jerónimo de Sousa

Jerónimo de Sousa defende que país precisa de “medidas de urgência para resolver os problemas”. Quanto ao congresso do PCP, o líder comunista garantiu que “vão ser tomadas todas as medidas sanitárias em termos de circulação, em termos de proteção individual”.

António Pedro Santos/Lusa

Jerónimo de Sousa voltou a demonstrar as dúvidas do Partido Comunista Português (PCP) em relação ao regime adotado sobre o novo estado de emergência, durante a conversa com Marcelo Rebelo de Sousa, esta quarta-feira, 18 de novembro.

“Colocamos as dúvidas ao senhor Presidente da República”, afirmou o líder do PCP, assumindo que o partido mantém a sua “posição em relação ao estado de emergência”. Jerónimo de Sousa frisou que “o país não precisa de estados de emergência, mas sim de medidas de urgência para resolver os problemas” apontados pelo PCP que remetem para o “plano económico e plano social”.

Além de ter votado contra o regime atual a vigorar em Portugal, no fim de semana, Jerónimo de Sousa classificou as medidas do Governo em relação ao estado de emergência como “desproporcionais, incongruentes e desadequadas”.

“Aquilo de que o país necessita é de medidas que estimulem a proteção individual, promovam a pedagogia da proteção e assegurem condições de segurança sanitária para que a vida nacional possa prosseguir nas suas múltiplas dimensões”, frisou num comício em Castanheira do Ribatejo, segundo a agência Lusa.

Além do estado de emergência, o presidente comunista comentou o congresso do PCP, que será realizado entre os dias 27 e 29 de novembro, garantindo que “vão ser tomadas todas as medidas sanitárias em termos de circulação, em termos de proteção individual”.

“Reduzimos para 50% o numero de lugares, vão estar ausentes os milhares de convidados que sempre participavam nos congressos do PCP. Vai haver ausência de delegação estrangeira”, explicou.

Relacionadas

CDS-PP critica “falta de estratégia” do Governo e saúda regresso das reuniões no Infarmed

O vice-presidente do CDS-PP, Filipe Lobo d’Ávila, considera que as novas medidas restritivas são “incompreensíveis” e saúda o regresso das reuniões no Infarmed para que o Executivo socialista se possa aconselhar junto dos especialistas na definição de uma estratégia de combate à Covid-19.

Parlamento preparado para votar eventual renovação do estado de emergência na sexta-feira

A Assembleia da República pré-agendou para sexta-feira às 09:00 o debate e votação de uma eventual renovação do estado de emergência, caso esta venha a ser decidida pelo Presidente da República.
Recomendadas

PCP quer redução do preço do passe intermodal para 30 euros

Os comunistas fizeram as contas e Jerónimo de Sousa afirmou que os custos desta medida, “uma conquista de largo alcance”, calculados em 50 milhões de euros, “valem bem do ponto de vista social, económico e ambiental”.

Bloco de Esquerda quer auditoria às PPP das SCUT em São Miguel

“Deve ser do interesse de qualquer Governo que estes contratos sejam o mais transparentes possíveis para que assim seja melhor defendido o interesse público”, considerou o deputado do BE António Lima.

“Intrigas, confusão e mau entendimento”: Costa diz que está articulado com o Presidente (com áudio)

“Só pode haver um mal entendido. Por natureza, o primeiro-ministro não desautoriza o Presidente da República. Não é Costa e Marcelo. É institucional”, relembrou o primeiro-ministro esta terça-feira.
Comentários