Pais podem aprender a escolher livros para os filhos

Faculdade de Ciências Humanas da Católica promove curso livre de livro infantil, apoiado pela APEL.

A Escola de Pós-Graduação e Formação Avançada da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (FCH-UCP) anunciou que a primeira edição do Curso Livre de Livro Infantil para Pais terá início em novembro.

Uma das novidades é que este curso conta com a participação especial do psicólogo Eduardo Sá, que vai ajudar a fundamentar, ao nível da psicopedagogia, a importância dos livros infantis na vida das crianças. Não menos importante será o apoio da APEL – Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.

O Curso Livre de Livro Infantil para Pais surge com o objetivo de ajudar os familiares de crianças, com idades entre os zero e os dez anos, e parte do pressuposto de que a seleção dos primeiros livros é essencial para a formação do gosto e da sensibilidade da criança.

Dora Batalim, coordenadora da formação, explica que durante o curso, “serão apresentados, analisados e discutidos um conjunto de livros infantis. Abordaremos todos os elementos que compõem o livro – texto verbal, imagens, formatos e materiais – visto que todos contam significativamente e é necessário conhecer a relação com o destinatário infantil”.

Os pais parecem estar novamente a valorizar a cultura livresca. Daí, talvez, a proposta da FCH-UCP, que também regressa com a pós-graduação em Livro Infantil (B-learning), para a sua 12.ª edição. Não será por acaso.

Recomendadas

Tecnologia OutSystems integra plano curricular de 13 universidades portuguesas

Programa, lançado há um ano, oferece licenciamento gratuito da plataforma low-code às universidades que queiram usá-lo para fins educacionais.

Investigadores de Coimbra vão ajudar a impulsionar ensino da astronomia no mundo

Nuno Peixinho e Rosa Doran representam Portugal no recém-criado gabinete de ensino da União Astronómica Internacional, que visa promover a astronomia nos currículos nacionais.

Reitores de universidades querem aulas presenciais em setembro e verba no Orçamento Suplementar

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas antevê uma quebra das receitas próprias das instituições em virtude da crise pandémica e pede ao Governo que acautele o problema no Orçamento que está a preparar.
Comentários