Países das Caraíbas vão recolher óleos alimentares usados reciclados com tecnologia portuguesa

Em causa está a instalação de mil oleões inteligentes desenvolvidos pela Hardlevel, uma empresa de Vila Nova de Gaia, que vão servir mais de um milhão de habitantes a residir em três países – Guiana Francesa, Guadalupe e Martinica.

Três países das Caraíbas e da América Central – Guiana Francesa e as ilhas de Guadalupe e da Martinica – vão recolher óleos alimentares usados que vão ser reciclados com tecnologia portuguesa.

Em causa está a instalação de mil oleões inteligentes desenvolvidos por uma empresa de Vila Nova de Gaia, que vão servir mais de um milhão de habitantes a residir nestes três países e onde, até agora, a recolha de óleos alimentares usados domésticos é absolutamente inexistente.

“O início da recolha de óleos alimentares usados (OAU) na Guiana Francesa, Guadalupe e Martinica, países caribenhos pertencentes ao território da França Ultramarina, vai realizar-se com recurso a tecnologia desenvolvida em Portugal, fruto de uma parceria estratégica estabelecida entre um parceiro local – L´Americano Recycledom – e a Hardlevel, líder nacional na gestão e pré-tratamento de OAU e um dos maiores players europeus do setor”, assinala um comunicado da empresa nacional.

Segundo este documento, “a utilização da tecnologia da Hardlevel visa a implementação de um sistema inteligente de recolha de OAU, através da instalação, já em 2021, de mil ‘oleões inteligentes Smart S+’ distribuídos por todo o território daqueles países caribenhos, destinados a servir uma população de 1,1 milhão de habitantes”.

“Até ao momento, a recolha e gestão de OAU produzidos pelas famílias a habitar nestes territórios é, à semelhança do que acontece em grande parte do mundo, absolutamente inexistente. É expectável que, em 2022, esta operação permita alcançar uma redução de cerca de três mil toneladas de CO2e [dióxido de carbono equivalente], por via da captação de mais de mil toneladas de OAU que, até à data, têm com destino o saneamento e ETAR locais”, explica Salim Karmali, administrador da Hardlevel.

O mesmo responsável esclarece que a Hardlevel já trabalhava com este parceiro local, a L´Americano Recycledom, há algum tempo, recebendo os OAU provenientes das grandes cadeias de hotéis no Caribe Francês.

“Tendo em vista estender a recolha de OAU ao sector doméstico, o nosso parceiro acabou por ficar rendido ao sistema inteligente de recolha da Hardlevel e às múltiplas sinergias e interações que o sistema permite entre os municípios e os cidadãos. Posteriormente, os OAU recolhidos serão encaminhados para as instalações da Hardlevel em Roterdão, para que, após serem submetidos a pré-tratamento específico, possam ser transformados em biocombustível”, acrescenta Salim Karmali.

Por sua vez, Patrice Ibene, sócio-gerente da L´Americano Recycledom, realça o impacto que a implementação desta solução terá na vida dos cidadãos de Guadalupe, Martinica e da Guiana Francesa, “onde não existe, ainda, qualquer tipo de solução para as famílias realizarem o correto e sustentável descarte de OAU nas suas casas”.

“Este modelo de gestão de OAU é efetivamente uma solução altamente disruptiva, pela sua vertente de sensorização e otimização de rotas, eficiência logística e diminuição da pegada de carbono. É altamente provável que, em breve, as nossas ilhas caribenhas vizinhas, nomeadamente Saint Martin e Saint-Barthélemy, queiram adotar esta solução nos seus territórios”, destaca este responsável.

Recorde-se que, em 2017, a Hardlevel foi responsável pela criação da RENO, a primeira rede organizada de recolha de OAU, que através de contentores equipados com sensorização IoT (Internet of things), permite aos municípios a interação com os cidadãos.

“Nas Caraíbas, tal como em Portugal, o sistema de recolha dos OAU vai possibilitar que, via telemóvel, os municípios e os cidadãos possam aceder à plataforma digital RENO, onde é possível rastrear os depósitos de forma individual e/ou por agregado familiar, conhecer a localização dos oleões, aceder à capacidade disponível dos mesmos em tempo real, bem como contabilizar os greenpoints – pontos recebidos pelos cidadãos em função das quantidades de óleo depositadas e que poderão, se os municípios assim o entenderem, ser trocados por prémios no âmbito, por exemplo, de passatempos e sorteios promovidos ao abrigo de campanhas de sensibilização”, adianta o referido comunicado.

Refira-se que, além do desenvolvimento do negócio nos países do Caribe, a Hardlevel está a equacionar reforçar a sua atividade no continente americano, encontrando-se já em negociações com alguns potenciais parceiros na América Latina e América do Norte.

“Esta parceria faz parte de um processo estruturado de expansão do modelo de negócio da Hardlevel na área das ‘Smart Cities’, nomeadamente no que respeita à gestão de resíduos inteligentes para além das fronteiras do território europeu. Aproveitamos este ano atípico para estudarmos cidades e países com enorme potencial, quer pela sua dimensão da sua população, quer pela sua preocupação e compromisso com uma efetiva redução da pegada de carbono e utilização sustentável de recursos”, adianta Salim Karmali.

Com capital 100% português e sede em Vila Nova de Gaia, a Hardlevel foi fundada em 2006, sendo detida na totalidade pelos irmãos de ascendência indiana Karim e Salim Karmali.

Além da atividade em Portugal, a empresa detém centros logísticos e empresas subsidiárias em Espanha, na Holanda, Bélgica e Malásia, através dos quais exporta OAU com especificações premium para as principais fábricas de biodiesel e refinarias de biocombustível nacionais e europeias.

Recomendadas

Ryanair ajuda em 250 mil euros projeto de replantação da Serra de Monchique

Os incêndios queimaram mais de 28 mil hectares na Serra de Monchique, em 2018. Até ao momento, o Renature Monchique já plantou 137 mil árvores autóctones e apoiou cerca 41 proprietários e as famílias afetadas pela catástrofe.

Governo aprova restrições para detergentes e cosméticos com microplásticos

A 24 de novembro do ano passado a Assembleia da República aprovou uma proposta, apresentada pelo PAN, de alteração do Orçamento do Estado para este ano, para proibir a comercialização daqueles produtos que contenham microplásticos.

Europeus pagam energia mais cara porque Comissão não proíbe lâmpadas fluorescentes, acusam ambientalistas

Cidadãos e empresas da União Europeia (UE) estão a pagar contas mais elevadas de energia porque a Comissão Europeia mantém no mercado as lâmpadas fluorescentes que devia ter proibido em 2018, acusam organizações ambientalistas internacionais.
Comentários