PAN quer acabar com apoios públicos à produção de carne e leite

O partido dirigido por André Silva quer que as empresas passem a apresentar soluções concretas para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica.

“Este caso [Tancos] está a desviar a atenção daquilo que é essencial, que é todos podermos fazer uma campanha a informar as pessoas das nossas propostas.”

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) tem previsto no programa eleitoral, apresentado esta sexta-feira, a proposta de acabar com os apoios do Estado à produção de carne e leite. O partido dirigido por André Silva quer que as empresas passem a apresentar soluções concretas para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica.

No programa eleitoral, o PAN explica que, a produção pecuária tem impactos negativos consideráveis para o meio ambiente e explica que tal se deve, entre outras coisas, ao “consumo excessivo de água, contaminação dos recursos hídricos e emissão de gases com efeito de estufa, representando 83% das emissões no setor agrícola”.

Face a isso, o PAN quer cessar os apoios públicos à produção de carne e leite e criar linhas de apoio à inovação empresarial para a criação de novas empresas e novos produtos no setor agroalimentar, que apresentem “soluções para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica”.

“É imprescindível que haja uma verdadeira transição da agricultura convencional para uma agricultura mais sustentável e biológica, reforçando o combate às alterações climáticas e aumentando a proteção do ambiente e da biodiversidade”, defende o PAN.

O partido quer ainda assegurar que os apoios às medidas agroambientais do Programa de Desenvolvimento Rural não financiam a agricultura convencional e quer que seja adotadas medidas que reduzam o desperdício alimentar na produção e apoiem a agricultura familiar.

“O atual modelo de produção agrícola assenta em métodos de cultivo intensivos dependente de fertilizantes, fitofarmacêuticos e de quantidades de água insustentáveis, com enormes impactos negativos no ambiente e na saúde humana”, sustenta, acrescentando que o cultivos intensivos têm “demonstrando uma diminuição da resiliência das culturas a infestações e uma menor capacidade de adaptação às alterações climáticas, comprometendo assim a nossa soberania alimentar”.

Ler mais
Recomendadas

Reuniões iniciais da Comissão de Transparência vão decorrer à porta fechada

A decisão foi esta sexta-feira anunciada pelo presidente da comissão, Jorge Lacão, alegando que há elementos que vão estar em discussão que não devem ser do conhecimento público. Deputados contestam “opacidade” criada numa “comissão que se diz transparente”.

PSD substitui Adriano Moreira por Rui Rio no Conselho de Estado

PS e PSD vão formalizar esta tarde a lista de candidatos a membros do Conselho de Estado. PSD quer Rui Rio, em vez de Adriano Moreira e o PS mantém nomes indicados na anterior legislatura.

Marcelo já promulgou aumento do salário mínimo para 635 euros

Presidente da República promulgou esta sexta-feira o diploma do Governo que estabelece o salário mínimo nacional em 635 euros no próximo ano. Marcelo Rebelo de Sousa considera que é “uma solução razoável”.
Comentários