Panama Papers: Parlamento Europeu vem a Portugal para perceber caso ‘offshores’

Estrasburgo quer ouvir Vítor Gaspar, Maria Luís Albuquerque e Paulo Núncio mas também o Banco de Portugal, Polícia Judiciária e secretários de Estado.

Foi hoje aprovado, no seguimento da polémica dos offshores, o envio de uma missão para Portugal pela comissão de inquérito do Parlamento Europeu aos Panama Papers, de acordo com informação avançada pelo jornal Expresso.

A missão pretende falar com o Banco de Portugal, Polícia Judiciária, Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque, os ministros das Finanças da altura e Paulo Núncio, antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do Governo de Passos Coelho.

Em declarações ao jornal Expresso, Ana Gomes, eurodeputada, referiu que concorda com a missão salientando que não está só em causa uma fuga ao fisco, mas também o branqueamento de capitais.

“Quando rebentou este escândalo, defendi que era preciso uma verdadeira investigação sobre Portugal”, relembrou a eurodeputada ao Expresso.

As missões vão ser também enviadas para a Suíça e Chipre. O Reino Unido, Luxemburgo e Malta já receberam missões.

Recomendadas

Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Segunda-feira, 19 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Patrões defendem que Estado deve recorrer ao BEI para reestruturar dívida das empresas

Em entrevista à “Antena 1/Jornal de Negócios”, António Saraiva revelou que a CIP vai apresentar um pacote de medidas ao Governo nos próximos 15 dias para apoiar as empresas depois do fim das moratórias em setembro.
Comentários